Após GP da Austrália, Pirelli celebra redução na formação de bolhas e na granulação dos pneus de 2014

Depois de um GP da Austrália livre de problemas, Pirelli celebrou a redução na formação de bolhas e na granulação dos pneus desenvolvidos para temporada 2014 da F1

icone_warmup REVISTA WARM UP 48 | GUIA DA F1 2014:
Tudo o que você precisa saber sobre o novo campeonato

Depois de uma temporada problemática em 2013, a Pirelli pode, enfim, respirar aliviada. Ao menos na primeira corrida do ano. Após o GP da Austrália, disputado neste domigno (16), a fábrica italiana comemorou a redução na formação de bolhas e farelo de borracho e na granulação dos compostos desenvolvidos para a F1 em 2014.
 
Em um comunicado divulgado à imprensa, a fábrica de Milão destaca que “o fenômeno dos farelos de borracha e das bolhas foi bastante reduzido, junto com a granulação. De fato, foi apenas visto no pneu dianteiro esquerdo de alguns carros: incluindo o de [Nico] Rosberg”. 
Equipe da Pirelli começou a temporada 2014 da F1 sorrindo (Foto: Pirelli)
A cobertura completa do GP da Austrália no GRANDE PRÊMIO
As imagens do domingo da F1 na Austrália
icone_TV Automobilismo na TV: a programação do fim de semana

“Assim como o acerto do carro, a granulação – um fenômeno que sempre esteve presente na F1 – é causada pelas baixas temperaturas”, explicou a Pirelli. “No GP da Austrália, a temperatura ambiente não passou dos 20°C, com a pista atingindo 27°C no momento da largada, com a temperatura baixando conforme a corrida foi passando”, completou. 

 
Diretor-esportivo da Pirelli, Paul Hembery afirmou que a fábrica ficou contente com o desempenho dos novos compostos e destacou que, apesar de a granulação ter sido identificada em alguns compostos dianteiros esquerdos, o problema não afetou a durabilidade do pneu. 
 
“Em Melbourne, nós ficamos felizes com a performance dos nossos pneus na primeira corrida de uma nova era na F1”, falou Hembery. “Enquanto a queda na temperatura causou um até então inédito problema de leve granulação nos pneus dianteiros esquerdos de alguns carros, não foi particularmente severo e não afetou o comprimento do stint. Na maioria dos casos, desapareceu conforme as voltas se seguiram”, comentou. 
 
“O pneu médio, usado em sua maioria no final da corrida, cobriu praticamente metade da distância para muitos pilotos e teve uma performance de maneira muito consistente”, apontou. “Os times, é claro, têm todos os mesmos desafios e nós ainda estamos bem no início da temporada, onde os engenheiros trabalhar para maximinar a performance do pacote do chassi e dos pneus”, concluiu. 

GRANDE PRÊMIO EUROBIKE: mostre que você sabe tudo de F1

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube