F1

Após protesto da Renault, FIA desclassifica Grosjean por carro ilegal em Monza. Sirotkin pontua

A Renault registrou um protesto na FIA (Federação Internacional de Automobilismo) questionando a legalidade do carro da Haas. Surtiu efeito: Romain Grosjean está excluído do GP da Itália. Esteban Ocon, Sergio Pérez, Sainz e Lance Stroll aumentam a pontuação assegurada na pista, enquanto Sergey Sirotkin pontua pela primeira vez.

Warm Up / Redação GP, de São Paulo
Romain Grosjean não manteve o sexto lugar no GP da Itália deste domingo (2). Após investigação, depois de um protesto feito pela Renault, a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) concluiu que o carro do francês “não estava de acordo” com o regulamento, consequência de uma ilegalidade no assoalho. Com isso, Grosjean é desclassificado e perde os oito pontos conquistados.
 
O resultado é importante para o Mundial de Construtores. A Haas havia empatado com a Renault na quarta colocação, ambas com 84 pontos. Os americanos agora ficam 10 pontos atrás – além dos pontos perdidos por Grosjean, Sainz ganhou 2 ao subir de nono para oitavo. Não por acaso, o protesto de ilegalidade partiu dos próprios franceses.
Haas teve o assoalho atualizado em Monza (Foto: Haas)
A desclassificação chacoalha a metade de baixo da zona de pontos do GP da Itália. Esteban Ocon, Sergio Pérez, Sainz e Lance Stroll aumentam a pontuação assegurada na pista. Mas talvez a grande notícia seja Sergey Sirotkin em décimo, somando o primeiro ponto na F1. O russo era o único piloto da temporada ainda zerado no Mundial.
 
A Renault não quis dar detalhes em relação a área do VF-18 que levantou dúvidas, mas Charlie Whiting, diretor da FIA, revelou que o protesto está relacionado ao assoalho do bólido norte-americano. A peça, aliás, foi atualizada pelo time de Romain Grosjean e Kevin Magnussen em Monza.

Dentro do seu direito junto à FIA, a Haas decidiu recorrer da decisão dos comissários. "Nós não concordamos com a decisão dos comissários em punir a nossa equipe e sentimos que somos merecedores do sexto lugar no GP da Itália. Então, vamos apelar", afirmou Guenther Steiner, diretor da equipe norte-americana. O resultado do recurso, entretanto, ainda deve demorar a sair.