F1

Bottas acerta contas com Azerbaijão, volta a vencer e comanda nova dobradinha da Mercedes na temporada

Valtteri Bottas viu a decepção de 2018 virar alegria em 2019. O finlandês, pole, manteve Lewis Hamilton sob controle até o fim e virou a estrela em dia de novo triunfo da Mercedes sobre a Ferrari. Sebastian Vettel foi terceiro

Grande Prêmio / VITOR FAZIO, de Berlim

 

Muita coisa mudou para Valtteri Bottas de um ano para outro no Azerbaijão. O piloto que perdeu uma vitória com duas voltas para o fim em 2018 teve o momento de glória neste domingo (28): Bottas se manteve na frente de Lewis Hamilton desde a largada e, volta após volta, construiu aquela que viria a ser a segunda vitória na temporada 2019 da Fórmula 1.
 
Com Hamilton no segundo lugar, a Mercedes conseguiu uma nova dobradinha, a quarta seguida. Trata-se de um recorde: nunca antes uma equipe de F1 havia começado uma temporada com quatro 1-2 em sequência. Mais do que melhorar estatísticas, os prateados alcançam nova vitória sobre a Ferrari. Sebastian Vettel cruzou a linha de chegada em terceiro, incapaz de atacar os dois primeiros colocados.
 
Max Verstappen, mais distante, levou um novo quarto lugar com uma Red Bull que ainda não parece capaz de brigar com Mercedes e Ferrari. O quinto lugar coube a Charles Leclerc, que teve uma prova de altos e baixos: o monegasco chegou a pintar como candidato à vitória após mostrar ritmo muito forte na primeira metade da corrida, mas logo murchou conforme os italianos falharam em fazer a estratégia funcionar. Preso em quinto após o único pit, o monegasco teve com prêmio de consolação o ponto da volta mais rápida.
Valtteri Bottas (Foto: Mercedes)
O pelotão intermediário teve Sergio Pérez, que tanto se dá bem com Baku, como melhor piloto. O mexicano cruzou a linha de chegada em sexto, superando Carlos Sainz Jr. e Lando Norris. Lance Stroll, nono, e Kimi Räikkönen, décimo após largar do pit-lane, fecharam a zona de pontos. 

Ao contrário do visto em anos anteriores, Baku não reservou um show de acidentes e destruição. O único acidente foi entre Daniel Ricciardo e Daniil Kvyat: o australiano cometeu o erro enfadonho de dar ré no carro do russo enquanto os dois estavam em área de escape. Os outros abandonos foram de Pierre Gasly e Romain Grosjean.

Resultado de imagem para emoji microfonePaddockast #15: Você manja mais de Fórmula 1 do que Flavio Gomes?



 Ouça no Spotify
 Ouça no iTunes
 Ouça no Android
 Ouça no playerFM

Saiba como foi o GP do Azerbaijão de Fórmula 1:
 
A largada aconteceu do jeito que Valtteri Bottas queria. O finlandês, apesar de largar um pouco pior do que Lewis Hamilton, fechou as primeiras curvas na primeira colocação, se defendendo de ataques por dentro. Sebastian Vettel não teve chances de fazer algo na primeira volta, contentando-se com o terceiro lugar.
 
Ultrapassagem mesmo, só de quarto para trás. Sergio Pérez melhorou a já boa posição de largada com uma ultrapassagem sobre Max Verstappen. Lando Norris, Daniil Kvyat, Carlos Sainz Jr., Daniel Ricciardo e Charles Leclerc fecharam a zona de pontos. Sim, Leclerc perdeu duas posições após largar em oitavo.
 
Cair para décimo significa que Leclerc precisava fazer ultrapassagens com alguma urgência. No segundo giro, Ricciardo foi deixado para trás. Uma volta depois, a vítima foi Kvyat.
 
Na frente, ficava claro que a Ferrari tinha dificuldades de acompanhar a Mercedes. Vettel girava aproximadamente 1s mais lento do que Bottas e Hamilton, fechando a volta 4 pouco mais de 6s atrás do líder. Hamilton, entre os dois, devia 2s8 para Bottas.
A largada do GP do Azerbaijão (Foto: AFP)
Quem também tinha contratempos era Verstappen, mas de outra natureza. O holandês estava preso de Pérez até que, na sexta volta, encontrou o caminho na reta principal. O tempo perdido atrás da Racing Point significou um déficit de 4s para Vettel. Além disso, Leclerc, que logo apareceu na frente de todos do pelotão intermediário, surgia apenas 2s atrás de Max. Isso levando em conta que Charles estava com pneus médios, e não macios.
 
Os primeiros pits aconteceram na volta 7. Kvyat, que despencava com pneus usados no Q3, abriu os trabalhos. Räikkönen, que largou dos boxes, Magnussen, Hülkenberg e Giovinazzi fizeram o mesmo.
 
Na frente, a vida de Leclerc se tornava melhor. Verstappen perdia tempo rapidamente, consequência de problemas de frenagem na Red Bull #33. Na altura da volta 9, Charles já conseguia fazer a ultrapassagem para surgir em quarto.
 
Falando em Red Bull, Gasly fazia uma bela corrida de recuperação. Depois de largar dos boxes, o francês já estava misturado com o pelotão intermediário e brigando de igual para igual com Sainz.
 
Vettel, que definitivamente não tinha conseguia seguir a dupla da Mercedes, logo viu Leclerc no espelho retrovisor. O alemão, que chegava a ser 1s2 mais lento por volta, optou por fazer a parada antes de Charles firmar a ultrapassagem. Sebastian voltou à pista em quinto, enquanto o monegasco ficava com pista livre para voar baixo.
Lewis Hamilton completou dobradinha da Mercedes (Foto: Mercedes)
A Mercedes reagiu ao momento da Ferrari. Seja pela parada de Vettel, agora com pneus novos; seja pelo grande momento de Leclerc com médios; Bottas e Hamilton foram buscar pneus novos. Era a vez dos dois prateados usarem médios também.
 
Como poderia se imaginar, a dupla da Mercedes começou a anular o ritmo superior de Leclerc. Tanto Bottas quanto Hamilton conseguiam girar voltas 1s melhores. Restava saber até que ponto a Ferrari deixaria Charles na pista.

Na própria briga interna da Mercedes, a situação começava a ficar melhor para Hamilton. Ainda atrás de Bottas, o britânico encaixava uma sequência de voltas mais rápidas da corrida e cortava a diferença para pouco menos de 3s. O problema de Lewis passava a ser Vettel, que começava a se aproximar também.
 
No pelotão intermediário, a festa ainda era de Pérez. Sétimo, o mexicano ainda era o ‘melhor do resto’, mesmo que com a dupla da McLaren se aproximando perigosamente. Lando Norris e Carlos Sainz Jr., em oitavo e nono, tinham condições de brigar com o carro da Racing Point. A última posição na zona de pontos pertencia a Kvyat, um pouco mais distante.
 
Apesar das tentativas de Leclerc, estava difícil segurar a dupla da Mercedes. Depois de tantas voltas de aproximação, a ultrapassagem veio: na 30, Bottas passou sem muitas dificuldades. Hamilton repetiu a dose no giro seguinte, assim como Vettel também faria. O monegasco sofria, mas aguardava ordens da Ferrari para ir aos boxes.
 
Mais atrás, o primeiro acidente do dia. Ricciardo tentou ultrapassar Kvyat, mas fritou os pneus e foi para a área de escape. Sem ter por onde ir, Kvyat também foi. Enquanto os dois tentavam voltar ao traçado, Daniel fez a bobagem de acertar a Toro Rosso enquanto dava ré. Fim de prova para o australiano, assim como para o russo.
 
O pit de Leclerc finalmente veio. Foi na volta 35, e não foi dos melhores. A parada foi lenta, o que significou voltar atrás de Gasly, em sexto. Depois de superar o francês e aparecer em quinto, veio a realidade: o déficit para o adversário mais próximo, Verstappen em quarto, era de 20s. Para piorar, Charles estava mais lento do que os pilotos que apareciam na frente.
Charles Leclerc chegou a sonhar com vitória, mas terminou em quinto (Foto: Ferrari)
A primeira aparição de um safety-car – virtual – foi na volta 40. Gasly, que ainda não tinha sequer parado, perdeu potência e precisou estacionar na pista. O francês perdeu o que se encaminhava para ser o sexto lugar, dando sequência ao começo de ano difícil. Quem abandonou na mesma volta foi Romain Grosjean, também com problemas mecânicos.

Quando parecia que a corrida já estava definida em favor de Bottas, Hamilton resolveu apimentar as coisas. O britânico colou no finlandês em busca de uma ultrapassagem no apagar das luzes. A dupla ia trocando voltas mais rápidas, indicando ritmo semelhante.

Com duas voltas para o fim, Hamilton entrou na zona de DRS. Eram duas chances claras de ultrapassagem para o britânico. Na primeira, não havia proximidade suficiente para arriscar um mergulho. Na segunda, o retardatário Russell foi o anjo da guarda de Bottas, cedendo DRS e colocando os dois em pé de igualdade. Festa para o finlandês da Mercedes. 

F1, GP do Azerbaijão, Baku, Classificação final:

1 V BOTTAS Mercedes 51 voltas  
2 L HAMILTON Mercedes +1.524  
3 S VETTEL Ferrari +11.739  
4 M VERSTAPPEN Red Bull Honda +17.493  
5 C LECLERC Ferrari +1:09.107  
6 S PÉREZ Racing Point Mercedes +1:16.416  
7 C SAINZ JR McLaren Renault +1:23.826  
8 L NORRIS McLaren Renault +1:40.268  
9 L STROLL Racing Point Mercedes +1:43.816  
10 K RÄIKKÖNEN Alfa Romeo Ferrari +1 volta  
11 A ALBON Toro Rosso Honda +1 volta  
12 A GIOVINAZZI Alfa Romeo Ferrari +1 volta  
13 K MAGNUSSEN Haas Ferrari +1 volta  
14 N HÜLKENBERG Renault +1 volta  
15 G RUSSELL Williams Mercedes +2 voltas  
16 R KUBICA Williams Mercedes +2 voltas  
17 P GASLY Red Bull Honda +13 voltas NC
18 R GROSJEAN Haas Ferrari +13 voltas NC
19 D KVYAT Toro Rosso Honda +18 voltas NC
20 D RICCIARDO Renault +20 voltas NC
           
VMR C LECLERC Ferrari 1:43.009 Volta 50
           
REC C LECLERC Ferrari 1:43.009 28/04/2019
MV V BOTTAS Mercedes 1:40.495    



Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.