F1

Bottas reconhece “inconsistências” em carro da Mercedes, mas fala que é “cedo para dizer se W10 é nova diva”

Valtteri Bottas entende que ainda cedo para decretar que o carro da Mercedes, o W10, seja uma nova diva. Para o finlandês, as inconsistências apresentadas pelo modelo serão devidamente compreendidas e solucionadas até o início do campeonato
GRANDE PRÊMIO, de Barcelona / EVELYN GUIMARÃES, do Circuito da Catalunha
A Mercedes viveu uma pré-temporada discreta a maior parte do tempo. A equipe alemã trouxe a Barcelona um carro complexo e preferiu focar os dias de trabalho na análise aerodinâmica e na performance com os pneus médios e macios, sempre acumulando enorme quilometragem. Tirando uma falha de motor na segunda semana, o time prateado não enfrentou problemas sérios, mas precisou lidar com algumas inconsistências, como a granulação de pneus, por exemplo. E apesar de um programa técnico diferente, Valtteri Bottas acredita que ainda é cedo para apontar o novo W10 como "diva". 
 
Ao longo dos últimos anos, a Mercedes criou carros fortes e rápidos, mas que também tinham um comportamento difícil de lidar, dependendo da variação climática ou do uso de compostos mais macios. Não é caso agora, garantiu o finlandês, que foi capaz de andar na casa de 1min16s5 no último dia de testes, quando a esquadra campeã do mundo decidiu simular o ritmo de classificação, fazendo uso da composição mais macia da Pirelli neste ano.
Valtteri Bottas (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
"Ainda é muito cedo para dizer se o carro é uma diva", disse aos jornalistas, incluindo o GRANDE PRÊMIO, no Circuito da Catalunha. "Temos de ver isso de pista para pista, observar como se comporta em diferentes condições", completou o #77.
 
"Eu realmente acho que, em algumas áreas, o carro deu passos à frente. Por exemplo, eu sinto que está bem melhor em curvas de baixa velocidade. Bem melhor que o carro do ano passado, mas ainda há áreas em que temos de melhorar, há ainda muito trabalho", acrescentou Valtteri, que entende que todos problemas serão resolvidos “até o início da temporada”.
 
Na sexta-feira (1), dia final da pré-temporada, Lewis Hamilton colocou a Mercedes bem próxima da Ferrari. Andando com os compostos vermelhos C5, o pentacampeão virou 1min16s224 – fechando a sessão 0s003 mais lento que Sebastian Vettel, que dominou os testes coletivos na Catalunha.
 
A F1 retorna às ações em 17 de março, no GP da Austrália, em Melbourne.