Bottas se preocupa com incidentes na pré-temporada e diz que “vento pode deixar os carros incontroláveis”

Valtteri Bottas não acha que os novos pneus estejam prejudicando tanto a aderência dos carros da F1, mas colocou o vento como um possível empecilho para pilotagens tranquilas durante a temporada

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
Valtteri Bottas vê no vento um potencial vilão da temporada 2017 da F1. Para o finlandês, os pilotos da categoria devem sofrer nos novos carros quando as condições de tempo não forem perfeitas. Segundo Bottas, está também no vento o motivo para tantas rodadas durante a pré-temporada.

Segundo Bottas, ainda que sejam maiores que os anteriores, os pneus não devem prejudicar muito em termos de aderência, ainda que demorem um pouco mais a aquecerem.

"Eu acho que, em termos de pneus, não tem uma diferença tão grande assim no que diz respeito ao que temos hoje de aderência. A única situação em que isso acontece é quando eles não estão suficientemente quentes, algo que é até comum nas atuais condições e com pneus mais duros", disse.

Valtteri Bottas teme o vento com os novos carros da F1 (Foto: Mercedes)

O piloto da Mercedes explicou que o vento deve ser uma pedra no caminho dos pilotos da F1 em 2017. Para o finlandês, não é nenhum absurdo imaginar diversos incidentes causados por rajadas.

 
"Com os compostos mais macios, assim que você atinge a temperatura deles, a aderência é basicamente a mesma da do ano passado. Eu acho que, em momentos de vento forte – como foi no segundo dia de testes -, o carro acaba ficando mais arisco. O vento está fazendo a diferença nesses carros, eles ficam mais difíceis de guiar. Uma rajada de vento pode te tirar downforce e aí o carro fica bem complicado de controlar", completou.

Bottas e seu novo companheiro Lewis Hamilton colocaram a Mercedes no topo da contagem de voltas durante a primeira semana de testes em Barcelona.
 
PADDOCK GP #67 RECEBE OZZ NEGRI E DEBATE TESTES DA F1 EM BARCELONA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)<0?n+="px":n,cc.style.display="",s2.width=n,window.frameElement&&(s1.height=c2.offsetHeight+5+"px"),t=500,s1.width="100%"}rs(t)},200)}var c1=window.frameElement?window.frameElement:document.getElementById("crt_ftr"),c2=document.getElementById("crt_ftr"),s1=c1.style;s1.position="fixed",s1.bottom="-4px",s1.left="0px",window.frameElement&&(s1.height="0"),c2.style.textAlign="center",s1.zIndex="60000";var cc=document.getElementById("crt_cls"),s2=cc.parentNode.style;cc.onclick=function(){s1.display="none"};var t=0;rs(0);

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth < 970) ? 302357 : 302359;
document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube