Brawn critica ideia de estipular dois pit-stops obrigatórios por GP na F1 em 2014: “Não sou grande fã”

Com a informação de que a Pirelli produzirá pneus mais resistentes para 2014, as equipes cogitaram determinar um número mínimo de dois pit-stops por corrida, ideia que não conta com a aprovação de Ross Brawn

O ex-chefe da Mercedes, Ross Brawn, posicionou-se contra a imposição de um mínimo de dois pit-stops por corrida na F1. O inglês disse que não consegue digerir bem a proposta, que visa aumentar a movimentação nos boxes diante da decisão da Pirelli de fabricar pneus mais duráveis para 2014.

“Poderíamos ter regras que falem em pit-stops obrigatórios, mas assim que você começa a mexer com a estratégia de um ponto de vista de gerenciamento… Se você dissesse ‘que mal há nisso?’, eu não poderia dizer, mas, intuitivamente, não acho certo”, declarou.

Brawn não gosta da ideia de dois pit-stops obrigatórios (Foto: Getty Images)

Brawn acredita que a situação atual, com a obrigatoriedade de um pit-stop para que sejam utilizados dois tipos de pneu durante cada GP é aceitável. Dois pits “talvez funcione, talvez tenhamos que tentar, mas não sou um grande fã”.

O britânico comentou o pedido recorrente dos pilotos, que desejam ter pneus com os quais possam forçar do início ao fim da prova sem se preocupar muito com o desgaste.

“É uma coisa difícil de otimizar o quão conservadores os pneus precisam ser para deixar os pilotos andarem de pé embaixo durante toda a prova. E, se eles são tão conservadores assim, vamos parar uma vez só em todas as provas? Tentar criar um pneu com o qual você pode andar no limite e ainda precisar trocar duas vezes na corrida é uma tarefa muito, muito difícil”, ressaltou.

A obrigatoriedade de dois pit-stops para troca de pneus existe no DTM há alguns anos.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube