F1

Brawn encerra rumores e confirma fim de sua trajetória na F1: “Estou me aposentando, não é um boato”

Depois de passagens de sucesso por Benetton, Ferrari e Mercedes – além de conduzir sua própria equipe em 2009, a Brawn GP –, britânico teve nome ligado inicialmente à Williams e, por fim, à McLaren: “Vou tirar um ano para pescar e, depois, ver o que a vida traz”

Warm Up / HUGO BECKER, de Guarulhos
 
icon_foto A carreira de Ross Brawn em imagens

Ross Brawn colocou fim às especulações em torno de seu futuro e anunciou neste sábado (1) o fim de sua trajetória na F1. A informação é do jornal britânico 'The Telegraph'.
Começo do sucesso de Ross Brawn na F1 foi na Benetton, ao lado de Michael Schumacher (Foto: Getty Images)
Depois de passagens de extremo sucesso por Benetton, Ferrari e Mercedes – além de comandar de forma brilhante sua própria equipe em 2009, a Brawn GP –, o inglês teve seu nome ligado inicialmente à Williams e, por fim, à McLaren. Aos 59 anos, contudo, a escolha feita pelo veterano dirigente foi a de encerrar sua carreira na categoria.
 
"Eu estou me aposentando, não é um boato", disse Brawn. "Vou tirar um ano para pescar e, depois, ver o que a vida traz. Estou ansioso, mas não tenho outros planos."
 
A ideia de se aposentar começou a ser cogitada por Ross logo que ele optou por encerrar sua continuidade no cargo de chefe da Mercedes, próximo ao fim da temporada 2013. Na ocasião, o britânico se mostrou descontente com a descentralização do comando do time prateado e optou por não fazer parte da escuderia para 2014.
 
Diante de sua saída, os rumores que o ligavam à liderança do intenso processo de reconstrução da Williams se tornaram cada vez maiores – especialmente depois da confirmação de Felipe Massa como novo piloto da esquadra de Grove, já que ambos haviam trabalhado juntos na Ferrari. A contratação, contudo, jamais aconteceu.
 
Fora do cenário dos rumores e boatos para o campeonato de 2014, Brawn, então, passou a ter seu nome ligado à McLaren quando o time anunciou a saída de Martin Whitmarsh da chefia. A exemplo do que ocorria na Williams, o nome de Ross era o preferido para recolocar o time de volta ao topo, mas as partes não chegaram a um acordo.
 
O único interesse do ex-dirigente, agora, nada tem a ver com o glamour do circo da F1: Ross apenas quer pescar. Foi em um evento de pesca em Aberdeenshire, no Reino Unido, que ele confirmou a saída, sem meias palavras. "Este é o período mais movimentado do ano para a F1 e eu disse que viria pescar. Se eles somassem dois mais dois, teriam percebido que eu estava definitivamente me aposentando", contou ao 'The Telegraph'.
 
"É uma honra fantástica participar da abertura do cerimonial [de pesca] do rio Dee. É um rio no qual nunca tive a chance de pescar antes, porque é um rio onde se pesca na primavera, e eu normalmente estava tentando desenvolver um carro de F1 na Espanha. Então, fevereiro, março e abril são meses bons para pescar", explicou o novo pescador.
 
Um dos chefes de equipe de maior sucesso da história da categoria, Brawn, que iniciou sua carreira como mecânico da Williams na década de 1970, estreou como estrategista no início da década de 1990, na Benetton, e venceu nada menos que 16 títulos desde então – oito de pilotos e oito de construtores. A categoria, assim, perde mais uma de suas lendas.