Brawn lamenta problemas de “grandes” Williams e McLaren, mas diz que “a F1 não tem piedade”

Ross Brawn fez alguns breves comentários sobre a atual situação em que Williams e McLaren se encontram. Grandes times com vitoriosas histórias, o atual diretor-esportivo da F1 afirmou que a categoria pouco se importa com isso, prestando atenção apenas para o que é mostrado atualmente na pista

A McLaren e Williams, grandes equipes no passado, têm enfrentado uma fase bastante difícil na Fórmula 1. Ross Brawn, diretor-esportivo da categoria, afirmou que a F1 não tem piedade com a história de seus times, se importante apenas com o que é mostrado na pista no presente.
 

Em seus tempos de glória, as esquadras inglesas brigavam por vitórias e títulos. Hoje, brigam apenas no fundo do pelotão – em 2018, a McLaren terminou em sexta, enquanto a Williams foi a décima, e última, no Mundial de Construtores.
 
Comentando sobre o atual cenário da categoria, Brawn frisou a grande estabilidade mostrada pela Mercedes, enquanto as constantes mudanças das esquadras de Woking e Grove contribuíram para seus problemas. “A Mercedes ainda tem algumas das pessoas que eu encontrei lá em 2007 [quando era Honda] e isso é mais de dez anos de estabilidade”, pontuou.
 
“Isso é muito importante. Williams e McLaren, elas passaram por mudanças e isso sempre leva um tempo para acomodar. São duas ótimas equipes com grandes histórias, mas infelizmente a Fórmula 1 não é uma grande respeitadora de histórias. Apenas respeita o que está acontecendo na pista”, continuou.
Ross Brawn (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)

“Nós, como F1, queremos muito essas equipes de volta em sua posição competitiva, pois são grandes equipes e grandes marcas. Mas a F1 não tem piedade. Se não está fazendo um trabalho de primeira, é mostrado em um domingo ou qualquer outro. Elas têm a capacidade de voltar para um lugar competitivo, mas é um trabalho difícil”, completou.
 

Brawn falou também sobre a falta de estabilidade da Ferrari, que ainda teve que lidar com a morte de Sergio Marchionne durante a temporada de 2018. Entretanto, o dirigente vê uma clara evolução da equipe italiana. “É uma combinação de fatos, nunca é apenas uma coisa. Não há dúvidas com a Ferrari, a morte de Marchionne teve um impacto”, falou.
 
“Foi trágico por si só, mas também teve um impacto na equipe. Perder um homem de seu calibre e posição sempre vai ser uma situação bastante desestabilizadora por um tempo. Mas acho que eles deveriam olhar para o que aprenderam e Sebastian [Vettel] deveria olhar para o que fez”, seguiu.
 
“Acho que há grandes chances deles brigarem em 2019. Você precisa olhar para a Ferrari de dois ou três anos atrás para perceber quanto progresso fizeram. Nós comentarmos o fato deles se aproximarem da conquista de um campeonato é uma grande conquista de onde eles estiveram há dois ou três anos”, encerrou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube