F1

Brawn vê domínio da Red Bull ameaçado por perda de membros fundamentais da equipe técnica

Ross Brawn, chefe da Mercedes, vê domínio futuro da Red Bull ameaçada com a perda do chefe de aerodinâmica, Peter Prodromou, que se junta à McLaren em 2015

Warm Up / Redação GP, de São Paulo

O domínio da Red Bull nas próximas temporadas vai sofrer um grande impacto devido à saída do chefe de aerodinâmica, Peter Prodromou. A opinião é de Ross Brawn, comandante da Mercedes. Prodromou, hoje braço direito de Adrian Newey na vitoriosa equipe austríaca, assinou com a McLaren e se junta ao time em 2015.

Porém, apesar de a escuderia dos energéticos ter minimizado a perda do projetista, Brawn entende que a saída do engenheiro vai prejudicar a esquadra chefiada por Christian Horner. "Eu não conheço Peter muito bem, mas ele possui uma grande reputação por ser um ótimo engenheiro e estar envolvido com projetos vitoriosos", disse.
Peter Prodromou trabalha ao lado de Adrian Newey na Red Bull (Foto: Red Bull/Getty Images)

"Portanto, haverá sim alguma mudança. Não acho que uma equipe que perca um cara como ele possa sair isenta. A Red Bull está onde está porque conseguiram tirar Adrian da McLaren. E isso é um exemplo de como as coisas funcionam na F1. Se a Red Bull se utiliza de certa filosofia que pode parecer única, a McLaren pode fazer o mesmo. Essa é a natureza da F1", acrescentou.

"James Allison deixou a Lotus, onde projetou um bom carro, e foi para a Ferrari e estou certo de que fará um carro ainda melhor no próximo ano. Essa é a natureza do negócio", lembrou o britânico.

A Red Bull, por outro lado, não vê a saída de Prodromou como problemática. Para os atuais campeões, a chave para se manter no topo está em tirar o melhor proveito do novo regulamento. "O motor deve se tornar um fator realmente fundamental no próximo ano, e isso vai depender do trabalho dos fabricantes. Ou seja, veremos uma enorme pressão sobre a Renault, a Mercedes, a Ferrari e, mais tarde, a Honda", disse Horner.  "Isso aí ainda é uma incógnita no momento", completou.

Em 2014, os motores V8 saem de cena e dão lugar aos V6 turbo de 1.6 l.