F1

Button admite que decisão de deixar F1 foi tomada cedo demais, mas reitera: “Não estou me aposentando do esporte”

Jenson Button reconheceu que a decisão de deixar a F1 foi tomada cedo demais, mas insistiu que não vai se aposentar do esporte. O inglês reiterou, no entanto, que está feliz com o caminho que sua vida vai tomar a partir de agora

Warm Up / Redação GP, de Curitiba
 

Jenson Button admitiu que se arrependeu de ter tomado a decisão de deixar a F1 muito cedo durante a temporada 2016. O inglês reconheceu que ainda se diverte muito no Mundial e segue animado para permanecer competindo.
 
O campeão de 2009 revelou em meados de setembro que não estaria mais no grid em 2017, abrindo caminho para Stoffel Vandoorne na McLaren. O jovem belga será o companheiro de Fernando Alonso na equipe inglesa no próximo ano. Ainda assim, Button renovou seu contrato com o time de Woking, mas para desempenhar um papel de coadjuvante, ajudando no desenvolvimento do carro.
 
Agora, Jenson está prestes a disputar aquela que provavelmente será sua última corrida na F1, o GP de Abu Dhabi. Button, no entanto, entende que poderia ter atrasado um pouco mais essa decisão, admitindo também que isso também causou uma mudança de mentalidade. 
 
"Eu sinto que agosto foi muito cedo, pessoalmente. Acho que quando um piloto decide deixar o esporte ou se aposentar, você tem de fazer isso o mais tarde possível. Creio que tenha decidido muito cedo. A mentalidade definitivamente muda, o que é uma pena. Não achei que mudaria, mas definitivamente muda", contou o britânico.
Jenson Button se prepara para o último fim de semana na F1 e com capacete especial (Foto: McLaren)

"Hoje será um grande dia, mas eu não vou para corrida pensando em acabar logo. Eu vou muito animado, sabendo que posso ter uma grande prova. Vou dar tudo de mim, como sempre fiz", completou.
 
Apesar de achar que optou por deixar o esporte cedo demais, Button reiterou que não tem dúvidas sobre sua decisão. "Na verdade, estou muito feliz com isso. É o momento certo. Foi um processo durante o mês de agosto, foram longos meses para realmente pensar sobre o passado, presente e futuro. E, definitivamente, é a coisa certa para mim", ressaltou.
 
"Apenas espero que a equipe seja competitiva no próximo ano. Ainda serei parte da equipe e aguardo com expectativa as primeiras corridas de 2017."
 
Por fim, Jenson insistiu que não está se aposentando, uma vez que vai seguir trabalhando com a McLaren. "Não vou me aposentar, é uma palavra ruim e é jogada com frequência. Eu tenho 36 anos e, com certeza, não vou me aposentar. Vou ainda trabalhar aqui com a equipe no próximo ano. Vou competir de outras coisas. E acho que vou pilotar até os 70 anos", concluiu.