F1

Button afirma que carro de 2015 da McLaren parece ser “de outra categoria” em comparação ao do ano passado

Depois de andar decentemente com o carro da McLaren pela primeira vez, Jenson Button avaliou que o modelo deste ano é tão diferente daquele usado em 2014 que é “como se fosse de outra categoria” e que o conceito adotado deve levar o time de volta ao topo da F1, mas evitou comparar o motor Honda com o Mercedes: “É injusto”

Warm Up, de Barcelona / RENAN DO COUTO, de Barcelona
A sexta-feira (27) foi o primeiro dia em que Jenson Button pôde realmente tirar impressões mais aprofundadas do novo carro da McLaren durante toda a pré-temporada. E agora o piloto inglês tem a certeza de que o caminho diferente seguido pelo time no projeto do MP4-30 é o mais correto e permitirá ao time, em algum momento ainda incerto no futuro, voltar a vencer.
 
Na retomada da parceria com a Honda, o time inglês vem fazendo questão de ressaltar que adotou novos conceitos na construção do carro. A traseira é extremamente compacta, o que exigiu também o desenvolvimento de uma unidade de força que ocupe um espaço menor. O principal benefício disso é o ganho aerodinâmico propiciado.
 
Pela primeira vez livre dos problemas de confiabilidade, Button conheceu melhor o bólido e disse, ao ser perguntado pelo GRANDE PRÊMIO em Barcelona, que até parece se tratar de “outra categoria”.
 
“É uma filosofia completamente diferente em termos de aerodinâmico e de fluxo de ar. Sempre vai ser diferente. Sinto como se o carro fosse de outra categoria”, avaliou.
 
“Mas esta direção vai definitivamente funcionar para esta equipe no futuro. É disso que precisamos para brigar na frente outra vez. A direção em que estávamos no passado não ia nos levar a brigar por um campeonato, enquanto que essa filosofia vai. E isso é que anima. Mas, como eu disse, todo o pacote ainda precisa receber muito trabalho para que a gente chegue lá”, continuou o britânico.
 
E quanto tempo isso vai levar? “Se eu soubesse isso também… Ninguém sabe. Não sei onde estamos em comparação aos adversários. Eu não sei.” 
Jenson Button (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
Sem comparações entre motores
 
Se Button compara com tranquilidade o chassi deste ano em relação ao do ano passado, não faz o mesmo com os motores Honda e Mercedes. “Acho que é injusto”, afirmou o britânico, esquivando-se da pergunta.
 
Ele tem ressaltado ao longo do mês de fevereiro que a Honda parece estar em uma situação dramática devido aos pontos de referência que se tem: estivesse estreando seu V6 turbo junto das demais, mostraria estar em nível semelhante. Hoje, no entanto, as adversárias já possuem uma temporada inteira de experiência com estas complexas unidades de força.
 
O piloto preferiu ressaltar os dois pontos que considera os mais notáveis da montadora japonesa: “A determinação. Está sendo enorme. Estamos todos trabalhando de pé embaixo para ter um motor bom para a primeira corrida e sei que vão fazer isso o ano todo, nunca vão desistir. É uma coisa que amo nesta parceria. A outra coisa é a dirigibilidade. Era uma coisa que me preocupava, mas demos passos enormes. Talvez seja a área que me deixa mais contente com o motor.”
 
Button assiste neste sábado aos trabalhos de Kevin Magnussen a bordo do MP4-30 em Barcelona e deve voltar ao volante no domingo.