Sainz diz que Ferrari “foi salva por safety-car” na sprint e pede mais paradas no GP do Catar

Carlos Sainz afirmou que os pneus macios se desgastaram muito rapidamente e pede que a FIA opte pela segurança e recomende mais paradas nos boxes

Após uma boa largada, em que conseguiu conquistar duas posições, Carlos Sainz não manteve o ritmo, terminando a corrida sprint do GP do Catar deste sábado (7) em sexto lugar. O espanhol da Ferrari descreveu a corrida como “muito estranha” devido ao desgaste excessivo dos pneus e destacou como o safety-car ajudou em sua performance.

Sainz foi um dos pilotos que optou pelos compostos macios. A tática deu certo no começo da prova quando chegou a disputar a segunda posição com George Russell, mas, com apenas algumas voltas, os pneus perderam rendimento e o #55 não teve como sustentar a performance.

Relacionadas


“A corrida foi muito estranha. Tivemos um ritmo muito bom nas duas primeiras voltas, pensamos que tínhamos tomado a decisão certa com os pneus macios. No entanto, a partir do terceiro giro, perdia cerca de 1s”, explicou Sainz.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Sainz afirmou que safety-car salvou sua prova (Foto: AFP)

O espanhol ainda reconheceu que a presença do safety-car, que teve de ser acionado por três vezes durante a corrida sprint em Lusail, foi fundamental para sua prova, permitindo que evitasse um resultado muito pior.

“Sofremos muito e fomos salvos pelos safety-car. Sem eles, todos nós que optamos pelos pneus macios teríamos terminado nas últimas posições. Esperávamos uma vantagem no início da corrida e, em seguida, achamos que íamos sofrer um pouco, mas não tanto assim. Foi uma corrida difícil para a gente”, acrescentou o ferrarista.

Quanto à estratégia para a corrida de domingo, Sainz expressou sua preocupação com a durabilidade dos pneus. O piloto sugeriu que a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) e a Pirelli analisem cuidadosamente as opções de parada nos boxes para evitar riscos de incidentes.

“Vamos esperar para ver. Eles precisam analisar bem. Se tiver de dar minha opinião, vou optar pelo lado seguro e fazer mais paradas. Não podemos levar os pneus ao limite, pois isso aumenta o risco de furos. Os compostos que eles vão analisar hoje têm poucas voltas”, concluiu o espanhol.

Fórmula 1 volta à pista de Lusail neste domingo (8), com a largada do GP do Catar programada para as 14h (de Brasília, GMT-3). O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades AO VIVO e EM TEMPO REAL. Há também a transmissão da corrida em segunda tela, em parceria com a Voz do Esporte, a partir das 13h40.

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.