Leclerc relembra chegada na Ferrari e diz que “levou quase um ano” para adaptação

Como piloto titular da Ferrari desde 2019, Charles Leclerc disse que, mesmo conhecendo seu ambiente de trabalho, levou um ano para estar bem adaptado à equipe de Maranello

Carlos Sainz bateu no treino classificatório do GP da Hungria de F1 (Vìdeo: F1)

Na terceira temporada pela Ferrari, Charles Leclerc já virou uma estrela em Maranello. O piloto monegasco foi promovido ao time em 2019 depois de passagem bombástica pela Sauber. Com duas vitórias no currículo e virando o líder da Scuderia, que também tem Carlos Sainz Jr. como piloto, o dono do carro #16 revelou que nem tudo foi fácil no começo de sua trajetória.

“Estava confortável desde o início”, disse Leclerc, em entrevista ao podcast Beyond the Grid. “Tinha muito o que aprender, mas parecia que já conhecia todo mundo”.

“Mas para me sentir confortável com a maneira como uma equipe tão grande trabalha? Provavelmente, levou quase um ano. Quase um ano para entender exatamente a dinâmica da equipe, como você enfrenta os problemas, como reage a eles”, acrescentou.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Charles Leclerc é piloto da Ferrari desde 2019 (Foto: FerrarI)

“É muito tempo, sim, é muito, muito tempo, mas é muito, muito interessante. Quando você está aprendendo algo e aplica, você está apenas tendo um melhor entendimento de como tudo funciona. Além disso, você se sente mais no controle da situação”, seguiu.

Logo em seu ano de estreia, o monegasco já garantiu duas vitórias na categoria, na Bélgica e Itália – casa da tifosi. Depois de 2019, a Ferrari viria a enfrentar um de seus anos mais desafiadores na Fórmula 1. Mas, em 2021, a equipe melhorou o rendimento e voltou a crescer. Agora com Carlos Sainz ao seu lado, a Ferrari já tem duas poles – ambas de Leclerc – e três pódios conquistados. Em pontos, após 11 corridas, são 163 em 2021, 83 a mais do que tinham no ano passado. E a melhora, para o #16, não foi só na equipe, mas para ele como piloto também.

“Sinto que cresci muito como piloto e como pessoa. Quão melhor? É difícil quantificar, mas definitivamente me sinto um piloto melhor ao o que eu era quando cheguei. É um esporte em que estou sempre aprendendo e acho que todos neste grid aprendem mais sempre que entram no carro”, concluiu.

F1 NO BRASIL COM LOTAÇÃO MÁXIMA + CUTUCADAS DA RED BULL NÃO TIRAM FÉRIAS | Paddock GP #252

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar