Chefe da AlphaTauri diz que pandemia “abriu os olhos” da Fórmula 1 sobre gastos

A Covid-19 atingiu diversas categorias do esporte a motor ao redor do mundo e a Fórmula 1 não escapou dos problemas financeiros causados pela pandemia. Para Franz Tost, da AlphaTauri, foi importante para mudar a mentalidade de algumas equipes do grid

A pandemia de Covid-19 bagunçou a Fórmula 1 em 2020. Com calendário modificado, etapas canceladas ou adiadas e sem público na maior parte das corridas, a categoria viveu um momento turbulento nas finanças, afetando também as equipes do grid. Franz Tost, chefe da AlphaTauri, porém, vê a fase conturbada como uma maneira de reformular a sustentabilidade no esporte a motor.

Após a crise causada pelo novo coronavírus no ano passado, os times da F1 acordaram em reduzir o teto de gastos para US$ 145 milhões (cerca de R$ 770 milhões) nesta temporada. A mudança acontece pela queda nas receitas da categoria no último campeonato.

“A respeito do limite de gastos, as equipes grandes não aceitariam a redução do dinheiro que gastam sem os problemas da Covid-19. Todo mundo entendeu como será difícil no futuro. As equipes da Fórmula 1 raramente trabalham juntas porque todo mundo tem seu interesse próprio e infelizmente não olham para o objetivo maior”, disse Franz Tost ao site Autosport.

AlphaTauri conseguiu uma vitória em 2020, com Pierre Gasly (Foto: Red Bull Content Pool)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

“Mas eu acredito que essa situação especial da Covid-19 abriu os olhos de que será menos dinheiro na mesa do que o esperado. Se você receber menos, você só pode gastar menos do que possui. Além disso, acredito que alguns colegas mudaram a mentalidade”, completou.

A Fórmula 1 planejou um calendário normal na temporada 2021, mas a ideia inicial já foi modificada. O GP da Austrália, que abriria o cronograma em março, foi adiado para novembro. Com isso, a abertura do campeonato será no Bahrein. Tost ainda espera que a F1 consiga fazer as 23 corridas previstas.

“Eu realmente espero que a gente consiga voltar ao modo normal. Como você imagina, a F1 não conseguiu o dinheiro previsto no ano passado pela falta de espectadores e porque os organizadores não pagaram muito, então não recebemos muito dinheiro como no orçamento inicial. Espero que tudo esteja sob controle, com torcedores nas corridas, pois esse é o interesse da F1, de que tenhamos uma temporada forte”, finalizou.

Ouça os programas do GRANDE PRÊMIO no formato de podcast:
Anchor | Apple | Spotify | Google | Pocket Cast | Radio Public | Breaker

Siga o GRANDE PRÊMIO nas redes sociais:
YouTube | Facebook | Twitter Instagram | Pinterest | Twitch | DailyMotion

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube