F1

Chefe da Ferrari revela que Vettel pediu desculpas a diretor de provas da F1 por ofensas via rádio no GP do México

Sebastian Vettel pediu desculpas a Charlie Whiting, diretor de provas da F1, por seu comportamento na parte final do GP do México, quando se revoltou com as atitudes de Max Verstappen, após uma disputa entre eles

Warm Up / Redação GP, de Curitiba

Sebastian Vettel se desculpou com o diretor de prova da F1, Charlie Whiting, após o GP do México, realizado no último domingo (30). O alemão se mostrou furioso depois de uma disputa de posição com Max Verstappen na parte final da corrida e chegou a xingar o oficial da FIA (Federação Internacional de Automobilismo), via rádio. 
 
A ira de Vettel se deu porque o holandês, ao se defender, usou a área de escape da curva 1 na volta 69 e, mesmo assim, permaneceu à frente. O tetracampeão esbravejou e exigiu uma posição dos comissários de prova. Mas a decisão de punir o piloto da Red Bull só veio depois do fim da corrida. Neste tempo, Seb não poupou nem o jovem piloto e nem Whiting.
 
Logo depois da corrida, Verstappen recebeu uma sanção de 5s em seu tempo total de prova, o que o fez cair de terceiro para quinto. Mas aí o próprio Vettel também acabou punido horas mais tarde, mas por conta de um incidente com Daniel Ricciardo, ocorrido logo depois da disputa com Max. O documento da FIA acusou o ferrarista de executar uma “mudança anormal de direção”. Assim, caiu para quinto e viu Ricciardo receber da Ferrari o troféu de terceiro lugar. 
Vettel foi punido por manobrar contra Ricciardo no fim do GP do México (Foto: Reprodução)

Entende-se, de acordo com informações do site norte-americano 'Motorsport.com', que inicialmente Whiting não entendeu a razão pela qual Seb estava se desculpando, porque não ouviu a conversa de rádio entre o piloto e a equipe italiana.
 
Apesar do pedido de desculpas, Vettel ainda pode receber uma punição pelas atitudes, embora a FIA não tenha se pronunciado oficialmente sobre o assunto. O piloto pode até ficar de fora do GP do Brasil de F1. Apesar de ser uma possibilidade pouco provável, é o que diz o regulamento esportivo internacional da entidade que rege o campeonato.
 
Chefe da Ferrari, Maurizio Arrivabene evitou criticar o comportamento do tetracampeão e disse que, após as desculpas, tem certeza que um episódio como esse não vai se repetir. "Nós conversamos, Sebastian e eu, e é isso. Não tenho de dizer em público sobre o que falamos. Ele se desculpou e tenho certeza de que isso não vai mais acontecer", disse o italiano.
 
"E a propósito, quando você olha o que aconteceu... Às vezes, eu só espero uma reação mais rápida da FIA, mas tudo bem", completou.