Chefe da Haas defende zona de relargada para evitar confusão do GP da Toscana

A caótica relargada do GP da Toscana ainda é assunto no paddock da Fórmula 1. Günther Steiner, chefe de equipe da Haas, aproveitou a discussão para dar uma sugestão que pode evitar novos incidentes no futuro

A caótica relargada do GP da Toscana, que resultou no abandono de diversos pilotos, continua repercutindo na Fórmula 1. Desta vez, foi Günther Steiner, chefe de equipe da Haas, que opinou sobre o assunto.

Para o dirigente, a F1 poderia adotar uma “zona de relargada”, como faz a Nascar. Assim, os pilotos teriam uma noção de onde começar a acelerar e evitar novos acidentes.

“A linha de relargada estava muito distante na reta de Mugello, então obviamente algumas pessoas tentaram uma chance e aceleraram. Não acho que alguém fez algo errado, foram as circunstâncias”, afirmou Steiner.

O estado do carro de Magnussen. Incidente gerou a primeira bandeira vermelha do GP da Toscana (Foto: Haas)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

“Acho que precisamos observar onde colocar a linha de relargada e talvez pensar até em uma zona de relargada. Não sou especialista nestas coisas, mas outras categorias fazem isso para evitar acidentes. Acredito que valha a pena analisar”, completou.

Após o acidente em Mugello, nenhum piloto foi punido pela direção de prova. Valtteri Bottas, então líder da corrida, sequer foi advertido, mesmo segurando a velocidade até o último instante permitido. Outros 12 pilotos do grid receberam advertências por inconstantes aplicações do acelerador e do freio antes do incidente.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube