Chefe da Honda não se vê com cargo ameaçado, mas lamenta situação: “Estamos frustrados e decepcionados”

Yusuke Hasegawa entende que a Honda não tem planos para tirá-lo da cúpula do projeto para a F1, mas reforçou que o momento não é dos mais favoráveis. Por outro lado, o engenheiro japonês elogiou a iniciativa de Ross Brawn, diretor-esportivo da F1, que ofereceu apoio para que a Honda possa melhorar e seguir no Mundial

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Sem conseguir entregar à McLaren um motor minimamente potente e confiável desde que voltou à F1 como fornecedora em 2015, a Honda luta para tentar reverter a situação complicada que vive no Mundial. Mas Yusuke Hasegawa, chefe da fábrica de Sakura para o projeto na F1, não se vê com o cargo ameaçado, embora entenda que o momento é bastante delicado.

 
 
O chefe da Honda assumiu o posto de Arai no início do ano passado e, de acordo com membros da equipe britânica, o engenheiro melhorou a comunicação entre as duas partes, mas a mudança não se mostrou eficaz no quesito performance.
Yusuke Hasegawa não se vê ameaçado de perder o cargo de chefe da Honda para a F1 (Foto: Honda/LAT Photographic)
Em entrevista ao site norte-americano ‘Motorsport.com’, Hasegawa deixou claro que a Honda é soberana caso queira efetuar uma mudança no comando do projeto para a F1, mas, ao mesmo tempo, não se vê com o posto ameaçado.
 
“Eu não decido meu futuro. Se alguém quiser mudar minha posição, tenho de obedecer a isso. Do ponto de vista da Honda, ninguém está pensando em mudar minha posição. O foco está no trabalho e no progresso. Enquanto estiver aqui, vou fazer o meu melhor”, disse.
 
“Não estamos satisfeitos com o desempenho atual. Estamos tentando de tudo, mas não estamos satisfeitos, estamos muito frustrados e decepcionados. Talvez haja alguém que possa liderar melhor este programa. Se ele estiver aqui, não fico muito feliz, mas ok. Tenho de mudar as posições”, acrescentou.
 
Ao comentar sobre a fala de Ross Brawn, diretor-esportivo da F1, de que estaria aberto a oferecer todo tipo de suporte à Honda, Hasegawa não escondeu a satisfação. 
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

“Ele disse que ficaria feliz em apoiar a Honda se tivesse algum pedido. Temos de lhe pedir apoio. Gosto muito da oferta. Continuaremos a conversar com ele. E tenho certeza de que ele vai nos apoiar”, disse Hasegawa, que foi questionado também se Brawn teme que a Honda deixe o esporte. “Ele não comentou sobre isso, mas acho que ele está pensando nisso, que ele quer que a Honda fique, por isso é que ele ofereceu apoio”, complementou.

 
O CANADÁ É PARA HAMILTON O QUE MÔNACO FOI PARA SENNA?

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube