Chefe da HRT, Pérez-Sala defende venda de chassi na F1: “Custaria menos”

Ex-piloto, Luis Pérez-Sala acredita que se as equipes menores puderem comprar carros de equipes maiores, sua vida se tornaria mais fácil e os gastos seriam menores. O dirigente ainda mostrou preocupação com a mudança no regulamento dos motores, que acontecerá em 2014

Visando a economia de gastos na F1, Luiz Pérez-Sala, chefe da HRT, voltou a mencionar a possibilidade de se adquirir carros de outras equipes na categoria. Ideia levantada várias vezes no passado recente do certame, o tema nunca foi aprovado pelos dirigentes. No entanto, na visão do espanhol, esta seria a melhor maneira de se reduzir os custos e facilitar a vida das equipes menos abastadas.

“Do meu ponto de vista, é uma boa ideia as equipes menores terem à disposição carros melhores do que os que podem construir sem gastar mais, ou mesmo economizando”, defendeu Sala, em entrevista à publicação italiana ‘Autosprint’.

Luiz Pérez-Sala está preocupado com os elevados custos da F1 (Foto: HRT)

“Custaria menos, já que estamos falando de carros e peças já construídas, sem os custos de design e construção, mas isso ainda depende do preço estabelecido para essas coisas”, justificou o dirigente.

Desde a década de 1980 que a venda de carros é proibida na F1. Na década passada, Toro Rosso e Super Aguri chegaram a utilizar chassis baseados em modelos anteriores de, respectivamente, Red Bull e Honda, mas isso foi vetado pela FIA.

Pérez-Sala mostrou preocupação com a mudança no regulamento de motores, que sairá do papel em 2014: “Hoje, para uma equipe como a HRT, os motores representam cerca de 20% do nosso orçamento. Essa porcentagem deve dobrar a partir de 2014, e eu não sei como vamos administrar”.

Só que, para ele, a preocupação não se restringe a isso. A falta de uma decisão final acerca de como funcionará a transição para os novos propulsores é alarmante. “Não temos nada oficial um ano antes dos primeiros testes”, reclamou.

O dirigente também comentou a situação de sua equipe, que finalmente “virou um time”. Cauteloso, ele disse que a meta para 2012 não era bater Marussia e Caterham, mas, sim, melhorar a estrutura e o funcionamento da HRT. Em 2013, com este processo concluído e Pedro de la Rosa seguino como primeiro piloto, aí sim o objetivo será lutar pelo décimo lugar no Mundial de Construtores.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube