F1

Chefe da Mercedes diz que Bottas está “mentalmente ferido” e vê férias como chance de se recuperar

Toto Wolff vê Valtteri Bottas como um “guerreiro”, mas reconhece que as férias da F1 chegam em boa hora para um piloto que precisa se reencontrar. O dirigente vê Bottas “mentalmente ferido” desde Baku, quando um pneu furado jogou a vitória fora
Warm Up / Redação GP, de Berlim
 Valtteri Bottas (Foto: Mercedes)
Valtteri Bottas não esconde a necessidade de se recuperar antes da temporada 2019 da Fórmula 1, e a Mercedes concorda. Toto Wolff, chefe da equipe, acredita que o 2018 difícil tirou a cabeça do finlandês do lugar e virou a principal causa de exibições abaixo da média, como a vista no GP de Abu Dhabi.
 
Wolff acredita que Bottas começou a se perder no GP do Azerbaijão, quando um furo de pneu nas últimas voltas impediu a vitória que resultaria na liderança do Mundial de Pilotos. O finlandês decaiu rapidamente e precisou se contentar com o posto de escudeiro de Lewis Hamilton, cumprindo ordens de equipe a ponto de abrir mão da liderança no GP da Rússia.
 
“Ele [Bottas] estava muito bem até Baku”, recordou Wolff. “Acho que ele teria vencido aquela corrida se não fosse o pneu furado e aí seria o líder do campeonato. Acho que quando você fica sem chances no campeonato e percebe que precisa desistir, isso te fere mentalmente. Espero que não seja o caso. Ele diz que não, ele é um finlandês forte e um guerreiro, mas durante o inverno nós vamos precisar cuidar dele e coloca-lo em uma boa situação outra vez”, reconheceu.
Valtteri Bottas não foi além do quinto lugar em Abu Dhabi (Foto: Mercedes)
O dia de Bottas em Abu Dhabi foi a cereja no bolo para uma temporada ruim. O segundo lugar parecia encaminhado, mas o finlandês teve dificuldades na parte final da corrida e foi ultrapassado até aparecer em quinto, posição final. Apesar de acreditar que Valtteri precisa se reencontrar, Wolff acredita que a queda em Yas Marina teve origem mecânica.
 
“Alguma coisa deu errado no pit-stop e quando ele saiu nós vimos que algo não estava certo no freio direito traseiro”, apontou. “Algo não estava perfeito. Nós temos os dados e era uma questão de segurança, então foi por isso que fizemos o [segundo] pit-stop. Para saber se era uma preocupação séria com o carro que fez a performance cair ou se era algo que ia sumir”, encerrou.
 
O resultado em Yas Marina impediu Bottas de ganhar terreno no Mundial de Pilotos, onde foi o quinto melhor. Valtteri também carrega a marca negativa de ser o único dos seis pilotos de equipes de ponta sem vitórias na temporada 2018.