F1

Chefe da Mercedes fala em azar, mas faz alerta e diz que Bottas deve justificar posição de titular

Definitivamente, Valtteri Bottas vai começar 2019 sob pressão dentro da Mercedes. No entanto, o finlandês conta com a confiança de Toto Wolff, que o definiu como “excelente piloto”. O dirigente austríaco colocou o azar como principal motivo para sua seca de vitórias neste ano
Warm Up / Redação GP, de Sumaré
Se por um lado Lewis Hamilton foi o grande nome da temporada com uma campanha arrasadora que o levou à conquista do pentacampeonato mundial, Valtteri Bottas está na lista das maiores decepções de 2018 na F1. O finlandês, mesmo contando com o mesmo carro de Hamilton, não venceu nenhuma corrida na temporada — ainda que tenha perdido sua grande chance quando obedeceu a uma ordem de equipe e deixou o companheiro passar para vencer o GP da Rússia — e terminou apenas em quinto lugar no Mundial de Pilotos.
 
Em entrevista à agência de notícias ‘Reuters’, Toto Wolff disse que Bottas vai precisar justificar sua posição de titular na Mercedes na próxima temporada, ainda que o dirigente austríaco tenha amenizado o próprio discurso.
 
“Todos os pilotos da F1 devem ser cautelosos. É um esporte muito exigente, onde apenas os melhores sobrevivem e se destacam perante o resto”, comentou. “Aqui está a seleção dos 20 melhores pilotos do mundo, e todos anos eles devem justificar que merecem seu lugar. Isso vale não só para Valtteri, mas também para todos os demais”, salientou.
Valtteri Bottas vai começar 2019 bem pressionado (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Wolff rendeu elogios ao piloto finlandês e lembrou que há ao seu lado nos boxes da Mercedes o maior piloto dos últimos anos na F1. “Valtteri é um lutador feroz e não estaria aqui hoje se não fosse por ser um excelente piloto. E ele sempre enfrenta o desafio de ser o companheiro e rival de Lewis Hamilton”.
 
Na visão do chefe da Mercedes, o grande problema de Bottas neste ano não foi a sua falta de performance, mas sim a falta de sorte. “Acho que tudo o que deu errado a Valtteri em 2018 se deve a ter sido muito azarado. Ele poderia ter vencido, ou deveria ter vencido, ainda que isso não conte, três corridas”.
 
“Acho que, dentro da mente de qualquer piloto, isso pode criar algum obstáculo. E isso aconteceu com Valtteri e ele vai trabalhar durante o inverno para começar a nova temporada o mais renovado possível. Os pontos vão voltar a zero e ele vai ter as mesmas oportunidades do último ano. Desde já, ele tem o talento e a inteligência necessárias”, finalizou.