Chefe da Mercedes fala que sucesso da Ferrari foi como “tapa na cara” e prega cautela: “Não ganhamos nada ainda”

Toto Wolff, chefe da Mercedes, fez uma avaliação do sucesso da Ferrari em 2015 e disse que as vitórias serviram de alerta para a equipe alemã. Esperando que o time italiano venha ainda mais forte na segunda metade do ano, o austríaco procurou manter a cautela e falou em “permanecer com os pés grudados na Terra”

Chefe da Mercedes, Toto Wolff avaliou a temporada de seus comandados até o momento e falou também das surpreendentes vitórias da Ferrari em 2015. Sobre o sucesso italiano, o austríaco reconheceu que o desempenho foi como um "tapa no rosto" da equipe alemã. Ou seja, serviu para acordar e manter o foco no desenvolvimento do carro.

Depois de um início acachapante em Melbourne, no mês de março, a Mercedes foi pega de surpresa pela bela atuação de Sebastian Vettel com o carro vermelho na quente e úmida pista da Malásia. Mas não parou por aí. A esquadra italiana continuou se mostrando forte, conquistando pódios e venceu mais uma vez, agora na Hungria, na prova que fechou a primeira metade do campeonato, no mês passado.

Toto Wolff se mostrou cauteloso para segunda parte de 2015 na F1 (Foto: Getty Images)

"O GP da Malásia serviu certamente como um alerta", admitiu Wolff em entrevista ao site norte-americano 'Motorsport.com'. "Depois de Melbourne, nós achávamos que tudo estava sob controle e que apenas fomos alcançados por outras razões. Em uma retrospectiva, talvez tenha sido como um tapa na cara, o que é sempre bom para reorganizar as coisas", completou o dirigente.

"Nós definitivamente fomos beneficiados com isso, porque provavelmente estabelecemos objetivos mais agressivos com relação ao desenvolvimento, metas de tempo de voltas e altas expectativas. Sabemos que a ameaça é real", acrescentou.

Wolff ainda se mostrou cauteloso sobre a segunda parte da temporada. "Nós não ganhamos nada ainda. Estamos no meio do ano. E há histórias de equipes que tiveram problemas nesta segunda fase, mas também há aquelas que melhoraram seu ritmo. Então, o melhor que temos a fazer é permanecer com os pés grudados no planeta Terra", assegurou o chefão.

"Há nove provas pela frente ainda, e só poderei responder se foi fácil ou difícil no fim do ano. Por enquanto, a partir de um ponto de vista puramente científico, a equipe vai manter o desenvolvimento e trabalhar de forma eficaz. Não temos razão para temer algo pior do que no ano passado", explicou Toto.

Porém, questionado se a Ferrari pode voltar ainda mais forte após a pausa do verão europeu e vencer mais vezes, Wolff foi categórico. "Sim. Mas ganhar o segundo campeonato é algo muito importante para nós e vamos continuar a desenvolver incansavelmente o nosso carro."

"Não esqueça que isso também será benéfico para o carro do próximo ano, porque os regulamentos vão permanecer estáveis", encerrou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube