F1

Chefe da Mercedes vê Hamilton “maravilhoso” no Brasil e crê que vitória era possível: “Não vimos a corrida real”

A recuperação de Lewis Hamilton no Brasil pareceu fantástica aos olhos do público e também de Toto Wolff, chefe do britânico, que acha que com apenas alguns detalhes diferentes a vitória seria dele em Interlagos
Warm Up, de Interlagos / Redação GP, de São Paulo
 Lewis Hamilton (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

Lewis Hamilton fez no GP do Brasil o que, aos olhos do público, foi uma corrida magistral. Saiu dos boxes, em último, e acabou em quarto, a apenas 5s4 de Sebastian Vettel, o vencedor. Os números desmentem isso, porém: foi uma atuação ótima, mas facilitada pelo carro que tem e que acabou não sendo a mais impressionante de sua carreira. Mesmo com isso ponderado, Toto Wolff, chefe da Mercedes, acredita que Hamilton podia ter vencido em Interlagos se não fossem alguns detalhes.

Para Wolff, o britânico foi "maravilhoso": "Acho que uma vitória era possível. Ele era o mais rápido lá na pista. Temos que lembrar que Sebastian (Vettel) controlou o ritmo da corrida, tirando as últimas voltas. Então, provavelmente, não vimos a corrida real", disse, em entrevista à 'Motorsport'.
Lewis Hamilton (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
A quarta colocação, porém, foi considerada a mais alta possível quando a Mercedes se reuniu para definir a estratégia de corrida de Hamilton na manhã do domingo.

"Quando discutimos o que fazer, acreditamos que era um alvo possível. Se o safety-car fosse acionado, a quarta posição era o objetivo", explicou.

"O safety-car nos ajudou um pouco. Mas a distância para as Ferraris era suficiente para que não conseguíssemos ir além", seguiu.

"Para mim, foi o melhor quarto lugar que já vi", finalizou Wolff, rasgando elogios ao tetracampeão do mundo.

Hamilton "se divertiu" durante a corrida. Ele afimou que se sentiu como nos dias de kart, quando largava em último constantemente: "Estava rápido o suficiente para vencer a corrida se fosse pole.Não consegui, então tive de trablhar duro."
GERAÇÃO PRIVILEGIADA

F1 TEM ÓTIMA CLASSE EM 2017. E É BOM DEMAIS VÊ-LA EM AÇÃO