Chefe da Red Bull diz que caçador Vettel "não tem nada a perder" e que disputa não se resume a Alonso

A Red Bull se vê numa situação levemente diferente da do ano passado, em que dominou desde o início a temporada e foi campeã facilmente com Sebastian Vettel. Agora, Christian Horner pede que as oportunidades sejam aproveitadas pelo alemão para tirar Fernando Alonso da frente

► Quer concorrer a 2 prêmios da Mercedes? Participe já da promoção

"Agora é Seb que não tem nada a perder". Assim Christian Horner definiu a expectativa da luta pelo título na segunda parte da temporada de 2012. O dirigente da Red Bull vê o jovem campeão muito mais maduro, principalmente depois do ano "impecável" que a equipe e o próprio piloto tiveram em 2011. Horner, na verdade, se mostrou até contente com a diferente posição que o piloto está neste ano. Ao invés de caça, agora Sebastian Vettel é o caçador, 42 pontos atrás do líder, Fernando Alonso, na classificação geral do Mundial. Para o inglês, ainda há um longo caminho até o fim da temporada.

"Acho que essa segunda parte do ano também será bastante interessante. Ambos os pilotos estão motivados e acho que podemos vencer algumas corridas. Atualmente, Sebastian se sente bastante confortável com o carro, assim como no ano passado, que foi uma temporada impecável. Ele está mais feliz com tudo e com o trabalho que estamos fazendo. E o nosso desejo é também mostrar um desempenho ainda mais forte nas classificações dessas corridas que ainda restam", disse Horner.

 

Horner quer que Sebastian Vettel ataque para recuperar o terreno perdido na primeira parte da temporada (Foto: Red Bull/ Getty Images/ Mark Thompson)

Ao ser questionado pelo Grande Prêmio em Spa-Francorchamps sobre a nova posição de Vettel no campeonato, o chefe da Red Bull respondeu que "ele não tem nada a perder". "Somos nós que estamos perseguindo agora. Acho que crescemos muito ao longo desses últimos anos. Aprendemos muita coisa e agora sabemos lidar com diferentes situações, o que é uma boa notícia", falou. "Acho que o ano passado foi uma situação totalmente diferente. Nós estávamos na liderança. Agora somos nós que estamos atrás, mas ele não tem nada a perder. E tem de tentar. Esse é o plano", repetiu e completou.

Embora veja Alonso como o rival mais forte ao título, Horner também não descarta Lewis Hamilton e Kimi Raikkonen. E afirmou ainda que a estratégia da equipe austríaca para as nove provas finais é aproveitar todas as oportunidades. Tática semelhante a do espanhol da Ferrari, segundo o dirigente britânico.

"Acho que Fernando é um candidato fortíssimo. Ele marcou mais pontos que todos os demais pilotos até aqui, venceu corridas e está na liderança do campeonato. E, por isso, ele será um rival bastante difícil até o fim da temporada. Ele tem feito um trabalho fantástico até aqui e tem conseguido aproveitar todas as oportunidades, inclusive em corridas com chuva", avaliou. "Mas ainda há um caminho muito longo a percorrer até o fim do ano. Ainda há nove corridas que podemos vencer. Temos dois pilotos muito competitivos, e é isso. Acredito que o campeonato ainda está aberto?, declarou.

2011 foi um grande ano para a Red Bull, e Horner citou que tudo foi aproveitado para vencer tanto o Campeonato de Pilotos quanto o de Construtores. "Esse ano o negócio está mais disputado e a disputa não se resume só a Alonso. Ainda há Lewis Hamilton e Kimi Raikkonen. E as coisas mudam muito rapidamente. Apenas temos de nos certificar de fazer tudo certo. O grande objetivo é fazer o melhor possível em todas as corridas", concluiu. 

 A análise completa da temporada 2012 da F1 e a previsão de Flavio Gomes para o restante do Mundial na REVISTA WARM UP. Clique aqui

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube