Chefe da Red Bull evita polêmica e diz que “decisão tática” da Ferrari “está dentro das regras”

Christian Horner afirmou que a Red Bull não considerou, em momento algum, trocar o câmbio de Mark Webber para recolocar Fernando Alonso do lado sujo do grid de largada em Austin

A escolha da Ferrari por romper o lacre do câmbio de Felipe Massa para punir o brasileiro em cinco posições no grid de largada do GP dos Estados Unidos é das mais polêmicas da história da F1. Mas a principal adversária da equipe italiana na disputa pelo título do Mundial de Pilotos não quis polemizar ainda mais criticando a postura da Ferrari, muito pelo contrário. Christian Horner, chefe da Red Bull, se limitou a dizer que a atitude “está dentro das regras e foi uma decisão tática”.

Com o ganho de uma posição e a mudança para o lado limpo do grid de largada, Fernando Alonso ganhou três lugares ainda nos primeiros metros da corrida em Austin e subiu para o quarto lugar. Voltas mais tarde, com o abandono de Mark Webber, o espanhol foi para terceiro e terminou, pela 12ª vez, no pódio em 2012. O resultado traz a decisão do campeonato para o GP do Brasil, que acontece neste domingo (25), em Interlagos.

Pela quarta vez consecutiva, Alonso e Vettel subiram juntos ao pódio na F1 (Foto: Getty Images)

“Obviamente, foi uma decisão tomada para colocar Fernando do lado direito do grid, e deu certo para eles. Estava dentro das regras e, embora tenha sido difícil para Felipe, a prioridade deles é Fernando”, declarou o britânico. No fim das contas, Massa ainda conseguiu se recuperar do 11º lugar no grid para cruzar a linha de chegada em quarto.

Horner, porém, deixou claro que tomar uma decisão semelhante não foi cogitada por sua equipe, sabendo do risco de outra reviravolta acontecer e Alonso ser cada vez mais privilegiado. Quando perguntado sobre a ideia de seguir o exemplo da Ferrari e romper o lacre do câmbio de Webber, emendou: “E depois alguém mais poderia fazer isso e, antes de você perceber, Fernando largaria na primeira fila. Nunca consideramos isso”.

A McLaren também não quis fazer críticas mais duras ao comportamento da Ferrari. “As equipes e seus chefes podem decidir como vão operar. Foi complicado, mas é muito claro que eles estão muito focados em Fernando”, falou Martin Whitmarsh, chefe do time.

Por outro lado, Whitmarsh deixou claro que não se trata de algo que mereça o seu apreço. “Não estou criticando ninguém. Penso que precisamos correr da maneira que achamos ser uma boa maneira para correr”, defendeu. “Acho que a coisa mais complicada é colocar tanta gente do lado mais sujo do grid. Não teve impacto em nós, estávamos do lado sujo e continuamos nele. Se eu estivesse do melhor lado e fosse colocado do lado sujo, ficaria muito irritado”, finalizou. Lewis Hamilton e Jenson Button, pilotos da McLaren, largaram, respectivamente, na segunda e na 12ª posições.

O Grande Prêmio vai acompanhar a decisão do Mundial 2012 da F1 'in loco' em Interlagos com grande equipe: Flavio Gomes, Victor Martins, Evelyn Guimarães, Fernando Silva e Juliana Tesser.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube