F1

Chefe da Red Bull fala em “carro complicado” e destaca importância de testes coletivos no Bahrein

Christian Horner, chefe de equipe, falou sobre o desempenho da Red Bull no GP do Bahrein e a importância dos testes coletivos desta semana. Para Horner, o carro se mostra complicado no momento, especialmente pela falta de aderência encontrada com os pneus na etapa de Sakhir

Grande Prêmio / Redação GP, de Campinas

A Red Bull teve dificuldades de se aproximar de Ferrari e Mercedes durante o GP do Bahrein. Max Verstappen fechou a prova na quarta colocação, enquanto Pierre Gasly foi apenas o oitavo. Chefe da equipe austríaca, Christian Horner admite que a equipe teve grandes dificuldades na prova realizada no Oriente Médio.
 
Segundo Horner, o RB15 é um carro "complicado" no momento. O dirigente destaca que a situação, apesar de preocupar, tem chance de solução em atividades como o teste coletivo no Bahrein. Verstappen, aliás, foi o piloto mais rápido do primeiro dia.

"É um carro complicado no momento. Nossa janela de operação parece ser bem pequena, e o Max [Verstappen] lidou muito bem com isso. Acho que tem sido mais difícil para o Pierre [Gasly], mas ele vai melhorar, com certeza", declarou Horner.
Max Verstappen a bordo da Red Bull (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
"É o timing perfeito. Precisamos melhorar a performance", seguiu, se referindo à atividade coletiva no Bahrein. "A Ferrari foi muito forte aqui no fim de semana, a Mercedes teve sorte com a dobradinha, mas a Ferrari foi o time dominante. Tentar entender nossas qualidades e defeitos para a Ferrari aqui é muito importante. Quando você acha um espaço, especialmente com estes pneus, eles parecem uma equipe diferente de duas semanas atrás. E vice-versa com a Mercedes. É apenas entender o que é a senha secreta", citou.

A Ferrari se mostrou potente no Bahrein apesar da dobradinha da Mercedes. Questionado sobre os motores Honda, que são os novos fornecedores oficiais da Red Bull, Horner os elogiou, e afirmou que o problema do carro é em relação ao chassi, especialmente com a dificuldade que o time teve para conseguir aderência com os pneus.
 
"Parece que a Ferrari tem outra marcha. A performance deles nas retas é muito impressionante. Temos muito que resolver com o chassi. O motor continua a evoluir, então, o foco é entender os problemas com os pneus e colocar o carro em um campo de atuação maior", completou.