Chefe da Red Bull fala em “habilidade inquestionável” e admite que postura de Verstappen em horas difíceis impressionou

Max Verstappen sofreu com a confiabilidade da Red Bull em 2017. Das 20 etapas do calendário, o piloto abandonou sete vezes. No entanto, apesar da fase difícil, Christian Horner, chefe da equipe, elogiou a maneira como o holandês lidou com toda a situação

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

O ano de Max Verstappen foi longe de ser perfeito. De 20 etapas do calendário, o piloto somou sete abandonos. No entanto, mesmo passando por uma fase difícil em 2017, Christian Horner, chefe da Red Bull, elogiou a atitude do piloto em lidar com a situação.
 

A parte mais crítica do campeonato do holandês foi na primeira metade do ano, quando seu carro apresentou diversos problemas de confiabilidade. Após um abandono na Bélgica, inclusive, chegou a declarar que havia começado a perder a fé na equipe e que a Renault não conseguiria colocá-los no topo.
 
Horner, então, reconheceu que Max sofreu neste ano, mas ressaltou que o piloto nunca se deixou abalar pelo momento complicado com a equipe. “Acho que Max tem o benefício da experiência e ele adquiriu muita experiência de corrida no geral”, disse.
Max Verstappen soube lidar com a situação difícil de 2017 (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

“É fácil esquecer que ele tem apenas quatro anos no automobilismo. O que realmente me impressionou neste ano foi a maneira como ele lidou com alguns momentos difíceis”, continuou. “Houve muitos desses momentos, particularmente nos meses de verão, mas ele seguiu trabalhando duro, seguiu no simulador toda semana e é óbvio que sua habilidade é inquestionável”, completou.
 

Verstappen tem um estilo de pilotagem que para uns é brilhante, enquanto para outros é perigoso. Para seu chefe, o jovem competidor encontrou o equilíbrio entre agressividade e moderação, o que é excitante de ver durante as corridas. 
 
“Os lances na Hungria ou Monza foram os dois únicos erros cometidos neste ano. Existe uma linha tênue entre herói e vilão. Acredito que agora ele se sente melhor com o carro, tem uma grande sensibilidade com o limite”, explicou.
 
“Ele assume riscos, mas não de forma irresponsável, são riscos calculados, e ele tem um espírito de briga que é animador de assistir. No geral, ele pilota bem. Acredito que ambos nossos pilotos fizeram um trabalho de primeira classe neste ano”, encerrou.
 
Verstappen encerrou a temporada na sexta colocação, com 32 pontos de atraso para Daniel Ricciardo, que terminou em quinto.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube