Chefe da Red Bull reconhece que eventual saída da Ferrari seria prejudicial, mas acha que “F1 sobrevive”

Christian Horner, chefe da F1, entende que a maior das categorias sobreviveria se a Ferrari decidisse deixar o esporte, mas também concorda que a saída seria prejudicial, porque “todos querem competir contra a escuderia italiana”

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Chefe da Red Bull, Christian Horner reconheceu que uma eventual saída da Ferrari seria uma prejudicial à F1, mas afirmou, por outro lado, que existe também um limite para as concessões que a mais tradicional das equipes pode receber. 

 
Neste momento, a esquadra vermelha, que está no campeonato desde a primeira temporada em 1950, é beneficiária de um significativo bônus anual pela longevidade na maior das categorias, além da premiação em dinheiro dada pela colocação no Mundial. O time italiano também tem o direito de vetar mudanças no esporte, embora raramente faça uso da benesse. 
 
Agora, diante da movimentação do Liberty Media, grupo que adquiriu a F1 e que deseja uma distribuição mais igualitária dos ganhos, além de um teto orçamentário e alterações técnicas, a marca italiana já ameaça deixar o Mundial se as mudanças não a agradarem. E questionado sobre a posição polêmica da rival italiana e se o abandono da Ferrari poderia afetar a imagem da F1, Horner respondeu: "Claro".
Christian Horner acha que F1 sobrevive sem a Ferrari (Foto: Red Bull Content Pool)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

"Nós queremos competir contra a Ferrari. A Ferrari é uma das marcas mais prestigiadas da F1. Mas a F1 sobreviveria sem a Ferrari? É claro que sim. Só que nós preferimos correr com eles do que sim. Porém, a questão é também: será que a saída da F1 também não prejudicaria a Ferrari?", afirmou o dirigente inglês.

 
O comandante da equipe das bebidas energéticas também foi convidado a falar sobre os benefícios que são concedidos à Ferrari e se isso deve ou não seguir sob a nova direção da F1. "Essa é uma questão também para os donos dos direitos comerciais. Ou seja, eles precisam ver se querem tornar a F1 uma competição mais igual ou um campo mais distorcido em termos de competição?"
 
Segundo os atuais acordos da F1, a Ferrari tem o compromisso de seguir na F1 até o fim da temporada 2020. Depois disso, o Mundial deve passar por uma nova mudança com relação aos motores.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube