F1
14/03/2018 13:36

Chefe da Red Bull se anima com “lugar na primeira fila” para acompanhar evolução da Honda: “Temos uma alternativa”

Christian Horner, chefe da Red Bull, avaliou que a equipe dos energéticos ganhou pela primeira vez uma alternativa real ao motor Renault quando Toro Rosso e Honda fecharam acordo de fornecimento de unidade de força. Por isso, pelos próximos meses, a análise sobre o motor Honda será feito com uma lupa
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Christian Horner (Foto: Red Bull Content Pool)

A Red Bull tem altas expectativas para a temporada 2018 do Mundial de F1, especialmente após ter bom rendimento na pré-temporada. Enquanto foca na disputa do campeonato e nas chances de Daniel Ricciardo e Max Verstappen, no entanto, a equipe está bem atenta ao trabalho em conjunto entre a Honda e a 'irmã menor' Toro Rosso. Afinal, a fábrica japonesa representa uma opção para o futuro.
 
Não é segredo que, apesar de ter sobrevivido, a relação entre Red Bull e Renault não é tão boa quanto alguns anos atrás - tanto é que os motores utilizados pela equipe dos energéticos é feito pela Renault, mas rebatizado de TAG Heuer. Agora que a marca francesa alimenta sua equipe de fábrica e a McLaren, a Red Bull está mais do que nunca à procura de uma solução. 
 
De acordo com Christian Horner, a observação do trabalho da Honda com bastante acesso é uma novidade. Se Ferrari e Mercedes nunca foram opção, pela primeira vez em vários anos a Red Bull tem uma alternativa às unidades de força da Renault. 
 
"[Temos] um lugar na primeira fila para ver como as coisas estão avançando e se desenvolvendo", disse em entrevista para o site inglês 'RaceFans.com'. 
 
Apesar do flerte com a Honda, Horner sabe que a Renault quer uma resposta rápida. Até maio, mais especificamente.
 
"Essa é uma conversa diferente que tivemos com a Renault. Obviamente eles querem saber logo. A realidade é que temos até o recesso de verão para tomar uma decisão. Claro que as fábricas procuram a data mais próxima, porque supostamente devem indicar a resposta para a FIA. Mas, como vimos com McLaren e Toro Rosso ano passado, não é uma regra pétrea", falou. 
Christian Horner (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

"De uma forma ou de outra, teremos um motor extra ano que vem e o melhor de tudo é que temos uma alternativa pela primeira vez em muito tempo", afirmou.
 
"O ideal seria tomar essa decisão antes de agosto, mas o fim de julho é provavelmente a data", encerrou.
 
Os testes de pré-temporada mostraram uma Toro Rosso sempre na pista, com confiabilidade impressionante do motor Honda. É um primeiro passo encorajador na nova parceria da F1.
”VOCÊ TEM DE RESPEITAR”

EMOÇÃO GENUÍNA DE BARRICHELLO É EXEMPLO DE MOTIVAÇÃO