F1

Chefe da Sauber confirma rumores e admite que Barrichello é cotado para vaga no time em 2014

Monisha Kaltenborn, chefe da Sauber, admitiu que Rubens Barrichello é cotado para assumir uma vaga de titular no time no próximo ano. Brasileiro deixou a F1 em 2011
Warm Up / Redação GP, de São Paulo

A cobertura completa do GP da Coreia de F1 no GRANDE PRÊMIO
As imagens da quinta-feira da F1 na Coreia
Automobilismo na TV: a programação do fim de semana

Aos 41 anos, Rubens Barrichello pode ter a chance de voltar à F1. Nesta quinta-feira (3), Monisha Kaltenborn, chefe da Sauber, admitiu que o piloto brasileiro está entre as opções do time para assumir uma vaga de titular na temporada 2014. 
 
Os rumores sobre um possível retorno de Barrichello ao grid do Mundial começaram na semana passada, quando a imprensa internacional noticiou o interesse do piloto pelo time de Peter Sauber. 
Chefe da Sauber admitiu interesse em Barrichello para temporada 2014 da F1 (Foto: Duda Bairros/Vicar)
Em Yeongam, palco do GP da Coreia deste fim de semana, Kaltenborn comentou os rumores e, embora tenha afastado as especulações sobre a participação de Rubens no GP do Brasil deste ano, admitiu que a contratação do brasileiro para 2014 é uma possibilidade.
 
Questionada se Barrichello era cotado para uma vaga na próxima temporada, Kaltenborn respondeu: “Existem algumas opções. Nós sabemos que ele tem experiência”, ressaltou. “Ele gostaria de voltar, então vamos ver”, continuou.
 
“Sempre tenho de dar a mesma resposta – o anúncio será no tempo devido”, frisou a dirigente.
 
Piloto com maior número de largadas na F1 – 322 –, Barrichello deixou o Mundial no final da temporada 2011, quando perdeu sua vaga na Williams. No ano seguinte, Rubens correu na Indy, ao lado do amigo Tony Kanaan, mas decidiu deixar o campeonato norte-americano e voltar ao Brasil para correr na Stock Car neste ano. 
 
Apesar de reconhecer o interesse por Barrichello, a chefe da Sauber afastou os rumores de que o piloto possa vestir as cores do time ainda este ano, para disputar o GP do Brasil. “Não vejo nenhuma possibilidade, pois não temos motivos para mudar os nossos pilotos para aquela corrida”, garantiu.

'Causa mortis: descaso'
Morte de Vanessa Daya reúne suspeitas por erros e omissões