F1

Chefe da Williams vê situação “de partir o coração” na temporada de 2018, mas acredita ser cenário pontual

No último lugar do Mundial de Construtores, a Williams vive um dos piores anos da sua história recente na F1. Ainda assim, Claire Williams acredita que a má fase é pontual e garante que todos os membros do time assumem responsabilidade sobre a situação
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Claire Williams reconheceu os erros da Williams nos últimos anos (Foto: Williams)

O cenário da Williams parece ficar mais difícil a cada etapa da temporada. Se mantendo como última no Mundial de Construtores, a equipe vem dando trabalho e poucas esperanças até mesmo para os membros da esquadra. Para Claire Williams, chefe da escuderia, tem sido "muito difícil, de partir o coração e um pouco destruidora de alma” a situação enfrentada em 2018. 
 
"Pessoalmente, isso é muito difícil, é de partir o coração e é um pouco destruidor de alma. Esta é, principalmente, a equipe da minha família e está com a gente há quatro décadas. Os sacrifícios que temos feito pela equipe ao longo dos anos foram ótimos. Também tivemos enormes recompensas e nos sentimos muito privilegiados, como família, por estarmos envolvidos neste esporte incrível” afirmou Claire, em entrevista publicada na ‘Motorsport Week’. 
Lance Stroll é o responsável pelos únicos pontos da equipe na temporada (Foto: Williams)
“Assumi esse papel como chefe-adjunta em 2013. Senti que poderia contribuir e acho que fizemos um bom trabalho para transformar a equipe e nos levar de volta para onde queríamos estar. Este ano não foi ótimo para nós, mas é pontual. Todo time em qualquer esporte passa por esses momentos”, adicionou. 

A campanha de Claire a frente do time de Woking nem sempre foi tão complicada. Quando assumiu, em 2013, os ingleses terminaram em oitavo lugar. Daí em diante foi uma sequência de bons resultados alcançados nas temporadas: terceiro lugar em 2014 e 2015, quinto em 2016 e 2017. Neste ano, a Williams só foi aos pontos uma vez, com um oitavo lugar de Lance Stroll no Azerbaijão e está 12 pontos atrás da nona colocada, a Sauber. No último domingo (8), GP da Inglaterra, ambos os carros largaram do pit-lane após uma troca emergencial das asas traseiras.
 
Claire também enfatizou que todos os membros assumem responsabilidade pelos problemas recorrentes na equipe atualmente.
 
"Para mim é incrivelmente difícil ver a equipe passar por isso. Todos nós levantamos nossas mãos e assumimos a responsabilidade e, não menos importante, eu tenho um papel a desempenhar nisso. Todos nós devemos olhar para nós mesmos e nos certificar de que estamos fazendo o melhor trabalho que pudermos para essa equipe, porque ela merece ficar na F1”, completou.
 
“Isso é tudo que fazemos. Estamos na F1 porque adoramos fazer automobilismo e temos que nos certificar de que criaremos um mundo na Williams que mantenha nossa equipe viável e relevante neste esporte, e que ainda mantenha nosso status. Isso é extremamente importante para mim”, encerrou Claire.