Chefe vê Ferrari distante de Mercedes e Red Bull e fala em “longo caminho pela frente”

Após ter sua pior temporada em 40 anos, a Ferrari iniciou 2021 com uma boa impressão após o GP do Bahrein. Mas Mattia Binotto não se mostrou tão otimista

Confira como foi o sábado de classificação da F1 no Bahrein (Crédito: Reuters/Grande Prêmio)

Apesar de não ter mudado da ‘água para o vinho’ em 2021, a Ferrari deixou o Bahrein com ar de recomeço por conta do sexto lugar de Charles Leclerc e a oitava posição de Carlos Sainz, que fez sua estreia pela equipe italiana. A respeito do novo ambiente e do progresso obtido, o chefe da equipe italiana, Mattia Binotto, se mostrou muito satisfeito com o ambiente “mais saudável” da escuderia, mas pregou que o foco está no desenvolvimento do carro do próximo ano, aguardando as mudanças propostas no novo regulamento técnico da Fórmula 1, que entrará em vigor em 2022.

Binotto, no entanto, reconheceu que a equipe vermelha ainda terá dificuldades para brigar por pódios e que segue longe do desempenho de Mercedes e Red Bull, que até o momento, dão as cartas no campeonato. O objetivo, então, é buscar a liderança do pelotão intermediário da Fórmula 1 em 2021.

Segundo o dirigente suíço, apesar da melhora, a equipe tem um “longo caminho pela frente” para alcançar o topo do campeonato. “A distância para os carros do topo está muito clara, e na corrida ela foi grande. Mas também dependerá da pista em questão. Sabemos que não vamos trabalhar muito no desenvolvimento deste carro, porque nos concentraremos no de 2022 em termos de projeto e desenvolvimento. Estou seguro de que é a mesma situação para os demais”, declarou o dirigente à revista Autosport.

MATTIA BINOTTO; FERRARI; GRANDE PRÊMIO; GP DO BAHREIN; F1
Mattia Binotto acredita que a Ferrari melhorou, mas precisa evoluir ainda mais (Foto: Ferrari)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Abertamente focado em 2022, Binotto também admitiu que o desempenho da Ferrari promete ser melhor em 2021, mas ressaltou que serão necessárias algumas corridas para diagnosticar o carro por completo e salientou o bom ambiente que o time tem no momento. “Temos recebido comentários de nossos pilotos, estão empenhados em entender o carro e a identificar suas limitações, que eventualmente podemos melhorar. Creio então, que as próximas três ou quatro corridas indicarão qual será o rendimento real e o potencial do nosso carro em comparação com os demais”, seguiu.

“Certamente, me sinto aliviado porque podemos trabalhar em uma condição melhor, e isso é muito saudável para a equipe. É importante poder trabalhar em boas condições, estar tranquilo e positivo. Para mim, isso tem sido muito relevante”, finalizou Binotto.

LEIA TAMBÉM
+Paciência: Ferrari tem dois pilotos, mas tifosi precisam entender que plano é de longo prazo
+Chefe da Ferrari fala em alívio por melhora, mas admite: “Ainda está nos faltando motor”

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar