Chefes de Ferrari e Marussia avaliam que novos carros demandam mais tempo para reparos

Pat Fry, diretor da Ferrari, e John Booth, chefe de equipe da Marussia, falaram sobre as dificuldades com os novos motores e o tempo que demoram para serem reparados


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

As equipes da F1 seguem com problemas de adaptação aos novos motores. Neste domingo (23), Pat Fry, diretor da Ferrari, e John Booth, chefe de equipe da Marussia, comentaram as dificuldades para encontrar um acerto e resolver problemas com os V6.

Para o diretor da escuderia italiana, problemas nos novos motores levam muito mais tempo para serem resolvidos em comparação ao período que era gasto com os defeitos no V8.

“Os carros são complicados, demora um certo tempo para encontrar e entender os problemas. O que nós demoramos quatro horas para resolver, ano passado levaríamos metade do tempo”, disse Fry.

Seguindo o mesmo caminho, o chefe de equipe da Marussia explicou as dificuldades enfrentadas ao mexer nos novos motores.

“Quando você está trabalhando no carro e precisa mexer com o motor, vê o quanto isto é complexo”, disse Booth.


Fry comentou o longo tempo que é gasto para reparar os novos carros (Foto: Ferrari)


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

O britânico comparou os motores de 2014 com os antigos Cosworth, dizendo que os novos  vão dispensar muito mais tempo para serem acertados.

“Os motores devem ser acertados em breve, mas não será tão rápido como era para ajeitar os antigos Cosworth”, finalizou.

Enquanto a Ferrari se aproxima de um acerto, a Marussia, com os mesmos motores, vai enfrentando dificuldades para entrar nas pistas durante a pré-temporada da F1. O time russo tem menos de um mês para chegar pronto em Melbourne.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube