Coluna Apex, por Andre Jung: O touro indomável

A vitória de Sebastian Vettel fez crescerem muito suas chances de título, mas quem sorri com o duelo entre o alemão e Lewis Hamilton é o líder, Fernando Alonso

As luzes piscantes do capacete de Sebastian Vettel pareciam refletir o estado de ânimo do piloto enquanto levava seu Red Bull de volta para os boxes. Depois de conquistar o título de 2010 partindo de uma situação parecida, suas esperanças de cravar o tricampeonato estão em alta.

Mas a vitória de Vettel também expõe outra realidade, a de que tanto Red Bull-Renault quanto Mclaren-Mercedes têm graves problemas de resistência.

(Ilustração: Marta Oliveira)

Já não é de hoje que carros de ponta raramente quebram na F1. Mantendo esse padrão, a Ferrari-Ferrari (não resisti) tem feito a sua parte para que Alonso chegue sempre ao final – caso não encontre um Grosjean no caminho. O mesmo não se pode dizer dos comandados de Whitmarsh e Mateschitz.

Assim, além de sair de Cingapura sem a vitória que merecia, Hamilton volta a passar o bastão de desafiante para Vettel, enquanto Alonso segue contando com a dura batalha entre os dois, que vez por outra deixa um pelo caminho, para preservar boa margem na liderança.

O final da temporada levanta muita preocupação quanto ao destino dos pilotos brasileiros. Nesse momento, parece que Massa tem mais chances de manter seu cockpit em 2013, mas, para Senna, a situação é bem mais complicada.

A Williams certamente tem consciência de que, embora tenha construído um carro bom, vai avançar muito pouco na tabela de construtores, e essa responsabilidade é debitada na conta dos pilotos, aqueles contratados pela equipe. Barrichello, que teve um ano difícil se adaptando à Fórmula Indy, caso permanecesse com o time, já teria garantido uma pontuação bem maior.

Senna sabe guiar, mas precisa de tempo para ganhar consistência. A questão é que não se pode mais treinar e ele tem de amadurecer lidando sempre com muita pressão: não anda no primeiro treino da sexta, quando é o pupilo do chefe da equipe que guia, e, no momento que senta no carro, já sai em desvantagem em relação a Maldonado.

Esse então. . .  desde sua surpreendente vitória, nove corridas atrás, nunca mais pontuou. É rápido como poucos, mas vive metido em quebras, punições e acidentes. Acho que o venezuelano devia mudar seu nome de Pastor Maldonado para Pastor Bemdonado!

Bruno precisa muito encontrar vaga em outra equipe, e o apoio de Bernie e da Rede Globo é parte do arsenal necessário para manter o nome Senna na categoria.

E o Schumacher? Que vacilada! Acho que atribuir esse problema à idade é bobagem. Numa análise fria, ele tem sido tão ou mais rápido do que Rosberg nesse ano, o que não havia conseguido nas duas primeiras temporadas do seu retorno, e não dá para ser mais rápido com menos reflexo. Portanto, acho que não é esse o X da questão.

Mas sua eficiência não permanece, e aí, diversas causas podem ser apontadas. Quanto à resistência física, ele parece inteiro ao final das provas, que, diga-se, hoje em dia são muito menos desgastantes do que há cinco, seis anos atrás. A superioridade de antes é que simplesmente não existe mais.

Há uma geração muito talentosa na pista nesse momento, que nasceu e cresceu em sintonia com a tecnologia aplicada aos carros de hoje, que tem intimidade para desfrutar dos simuladores antecipando circunstâncias e preparando carro, pilotagem e estratégias para cada GP.

Enfrentar esses competidores, com os recursos de seu tempo, não é tarefa fácil. Schumacher é um grande lutador.

Enquanto isso…

…fico pensando se lá no país do Grosjean está acontecendo um escândalo porque a Lotus “avisou” que Raikkonen era mais rápido que ele…

…aliás, mantendo um excelente terceiro posto na tabela, o finlandês mostra que lenha pra queimar é o que não falta no seu paiol …

…entre os jovens promissores da temporada, Sergio Pérez é o destaque, mas Paul di Resta, que veio do DTM para a F1, numa prova do alto nível do turismo alemão, impressiona também.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube