Coluna Apex, por Andre Jung: Trinity ainda é meu nome

A McLaren começou a temporada com o melhor carro do pelotão, aí foi descendo a ladeira, para no meio da temporada, retomar o bastão. Três vitórias consecutivas, com direito a primeira fila na Itália, não deixam dúvida sobre a superioridade de seus carros. Agora Hamilton volta a ser o desafiante e, caso a McLaren mantenha a performance, será candidato à vitória em todas as provas

(Ilustração: Marta Oliveira)

A sequência de duas provas disputadas em circuitos clássicos (e ainda preservados) formada por Spa e Monza se fez valer, e o GP da Itália foi mais uma das boas provas da temporada, cheia de adrenalina e com um resultado que, além de manter o campeonato aberto, também foi rico em simbolismo.

Nada como um dia após o outro, ou melhor, uma semana após a outra. Eliminados em Spa, no strike produzido por Grosjean, Hamilton, Pérez e Alonso eram só sorrisos no pódio italiano.

Em verdade quis o destino que fôssemos privados de assistir uma batalha que se anunciava espetacular. Por milésimos, volta a volta, Alonso e Hamilton se revezavam nas voltas mais rápidas, com ligeira vantagem para o espanhol. Com a quebra da barra estabilizadora no Q3, Fernando foi alijado da disputa pela vitória. Correu para diminuir o prejuízo e como faz isso melhor do que ninguém transformou a décima posição no grid em pódio na bandeirada.

O espanhol também protagonizou o momento mais eletrizante da corrida, ao controlar sua Ferrari com as quatro rodas na grama numa curva de 300km/h. A maior parte dos cronistas lembrou que na corrida do ano passado, Vettel passou Alonso ali mesmo, colocando duas rodas na grama, por conta da falta de espaço.

A meu ver a punição foi justa, o movimento de Vettel foi brusco, numa hora muito perigosa. Alonso teve sangue frio e manteve o carro sob controle, mas o risco foi muito grande.

A McLaren começou a temporada com o melhor carro do pelotão, aí foi descendo a ladeira, para no meio da temporada, retomar o bastão. Três vitórias consecutivas, com direito a primeira fila na Itália, não deixam dúvida sobre a superioridade de seus carros. 

Agora Hamilton volta a ser o desafiante e, caso a McLaren mantenha a performance, será candidato à vitória em todas as provas. No entanto, por mais que Hamilton seja eficiente e aproveite muitos dos 175 pontos em jogo, a eficiência é justamente a maior qualidade de seu oponente.

A propósito, essa história de jogo de equipe já encheu o saco. Alonso is faster than you!  Quando essa célebre frase foi proferida, o nosso mundo caiu de pau malhando o Massa, como se ele tivesse entregado um vitória certa para o preferido do patrocinador.

Se olharmos o retrospecto com um mínimo de isenção, Alonso teria total condição de obter uma ultrapassagem e provavelmente o faria ― lá, como agora em Monza. Portanto, vamos deixar de acreditar que a Ferrari “tirou” uma vitória de Massa. Outro dia, Galvão Bueno, em certo momento da corrida em que Massa ocasionalmente se aproximou de Alonso, afirmou que era o caso da Ferrai retribuir, pedindo a Alonso que desse passagem. Que mundo espotivo é esse? Um faz de conta onde o que importa é proteger o mais fraco, desde que seja um brasileirinho?

O Mundial de Construtores é que esquentou de vez. Mesmo sem brilho, a Red Bull (272 pontos) vinha preservando uma sólida liderança, tudo isso por ser a única das grandes a ter seus dois pilotos na parte de cima da tabela. Mas como em Monza nenhum de seus carros cruzou a linha de chegada, McLaren (243), Ferrari (226) e Lotus (217) aproveitaram para se aproximar. Se Massa mantiver um desempenho razoável, como o que teve na Itália, no resto da temporada, a Ferrari pode vir a levar também essa taça.

A Sauber também pode ambicionar o posto da Mercedes, como quinta força da temporada, assim como a Williams tem a Force India como adversária na tabela. Entre os motores, a Renault,  severamente criticada pela Red Bull no final de semana, por mais uma quebra de alternador, segue na frente com boa margem, somando 543 pontos contra os 432 da Mercedes e os 338 da Ferrari.

A formação das duplas de pilotos para 2013 permanece aberta e o que Hamilton vai resolver será a cartada que vai iniciar ou bloquear as transações, caso saia da McLaren. Uma dança das cadeiras deve começar e são muitos os que torcem para ver Kimi Räikkönen, que mais uma vez fez o melhor que seu carro permitia, ocupar a vaga do inglês. 

Enquanto isso…

… o futuro do mito Kamui Kobayashi permanece incerto…

… ofuscado pelo desempenho surpreendente de Sergio Pérez, que em nenhum momento deixa parecer ser um novato, o japonês precisa de bons resultados para preservar sua vaga…

… Webber voltou a ser o piloto mediano do ano passado.

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube