Coluna Apex, por Andre Jung: Uma dura realidade

O bom desempenho de Alonso em ritmo de corrida não resolve, e alcançar a vice-liderança da tabela é pouco diante dos mais de 30 pontos de frente que Vettel passou a ter

O GP do Canadá abriu uma perspectiva sombria sobre a temporada; o ano que parecia destinado a uma disputa feroz, onde a supremacia do binômio Vettel/Red Bull estaria ‘controlada’ tanto pela evolução técnica dos adversários quanto pelo advento dos pneus de isopor e suas corridas de gerenciamento, parece ter perdido fôlego prematuramente. Depois de liderar os treinos, realizados sempre com pista úmida, com folga, o campeão não tomou conhecimento dos adversários e dominou ainda mais sob o sol do domingo.

Domenicali ainda afirmou que, tivesse Alonso largado mais à frente, seria o espanhol capaz de oferecer combate, mas já ouvimos esse discurso outras vezes e, a essa altura, já é crônico o problema que a Ferrari apresenta aos sábados. Diante dele, o bom desempenho do carro em modo corrida não resolve, e alcançar a vice-liderança da tabela é pouco diante dos mais de 30 pontos de frente que Vettel passou a ter.
Vettel caminha firme para conquistar o Mundial de F1 pela quarta vez (Ilustração: Marta Oliveira)

Enquanto a Red Bull parece evoluir rapidamente, especialmente no trato com os pneus, a concorrência patina. Kimi Räikkönen, que chegou a dar pinta de correr pelo título, já não mostra força, vitimado pela lenta evolução de sua equipe endividada. De fato, seus bons desempenhos, que deveriam atrair bons patrocínios, só têm feito aumentar as dívidas, uma vez que boa parte da remuneração do finlandês é calculada com base nos pontos que ele obtém.

No campeonato de construtores, o time caiu para a quarta posição, graças também à inexpressiva participação de Romain Grosjean, um peso morto a ancorar as pretensões da equipe que comprou a ‘franquia’ Lotus. 

A Mercedes está sub judice, enrascada pela insolente decisão de realizar um teste de pneus com o carro desse ano, e alguma punição deverá atingir a equipe que, logo após burlar o regulamento, voltou a vencer. O brilho que Hamilton e Rosberg conseguem mostrar, aqui e ali, não será capaz de fazê-los ir muito além de um papel secundário.

Para a McLaren, um circuito onde o equilíbrio nas freadas é talvez a principal virtude exigida, terminou por evidenciar o tamanho de sua deficiência, levando seus pilotos a correr sempre fora dos pontos, para terminar com as melancólicas 11ª e 12ª posições. Com tanta distância a recuperar e um terço da temporada percorrido, parece que em breve vão jogar a toalha para concentrar esforços no carro de 2014.

Ainda assim, não parece que a McLaren terá muitas chances de recuperar uma posição de destaque, uma vez que a Mercedes fará de tudo para esconder detalhes importantes de seu novo motor do time de Woking, fechado com a Honda para 2015.

Grande destaque para a Toro Rosso, que evoluiu bastante, especialmente nas mãos de Vergne, que conseguiu, com o sexto lugar no Canadá, o melhor resultado para os italianos desde a era Vettel. Com seu desempenho recente, o francês está ofuscando o outrora incensado Daniel Ricciardo, o que ameaça deixar o jovem australiano a ver navios em 2014.

Pobre Williams, que nas mãos de um habilidoso Valtteri Botas provocou uma enorme surpresa na pista úmida no sábado, resultado que só fez destacar o fraquíssimo desempenho de seu carro em ritmo de corrida. O jovem finlandês vem dominando amplamente seu experiente companheiro de equipe Maldonado, e talvez, pior cenário, a PDVSA esteja começando a duvidar do destino que tem dado à sua verba de marketing.

Enquanto isso . . . 

. . . a boa prova de recuperação de Felipe Massa não resolve o problema da Ferrari, que precisa desesperadamente deter Sebastian Vettel, assim como a sequência de acidentes aumentam as dúvidas sobre a permanência do brasileiro na Scuderia . . .

. . . Jenson Button começa a virar freguês do antipatizado Sérgio Perez . . .

. . . no país do futebol, o empolgante pega entre Alonso e Hamilton, ponto alto da corrida, passou batido . . .

. . . piada pronta; Van der Garde foi punido com a perda de cinco posições no grid do GP da Inglaterra, que lugar seria cinco posições atrás do último colocado?

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube