Coluna Apex, por Andre Jung: Vencedores e vencidos

Podemos dizer que a Williams foi o grande fiasco de 2016. O carro teve um baixo desenvolvimento desde 2014, os pilotos não tiveram performances de destaque e a equipe se viu longe do pódio que havia frequentado nas temporadas anteriores

Lá se vai mais um campeonato, o mais longo de todos os tempos. Mais um na conta da Mercedes, rainha suprema da era Turbo. 

 
Quando os carros híbridos finalmente foram à pista, em 2014, poucas voltas foram necessárias para que se percebesse a imensa diferença de potência e consumo que a unidade de força da Mercedes gerava sobre a concorrência.
 
Partindo daí já era possível prever que as temporadas seguintes também seriam decididas entre os carros prateados. E assim foi, com Hamilton e Rosberg sempre dividindo as duas primeiras posições. Em 2016, Rosberg se livrou da pecha de segundo piloto e levou o caneco.
 
Se por um lado vimos a Mercedes impávida preservar a liderança que estabeleceu desde o início do novo regulamento, por outro vimos a Williams decair ano a ano. Em 2014, a vantagem do propulsor dos alemães era tanta que a Williams conseguiu um improvável terceiro lugar no Mundial de Construtores. Em 2016, porém, caiu duas posições, com a evolução do motor Renault e a elevação da Force India à segunda força motorizada pela Mercedes.
 
Podemos dizer que a Williams foi o grande fiasco de 2016. O carro teve um baixo desenvolvimento desde 2014, os pilotos não tiveram performances de destaque e a equipe se viu longe do pódio que havia frequentado nas temporadas anteriores.
 
A corrida de Abu Dhabi tem essa característica única de começar com luz natural e terminar à noite, sob a farta iluminação artificial da pista. Isso por si é um atrativo e tanto. O outro é o de encerrar e por vezes decidir a temporada. Não fosse assim, seria uma monotonia.
 
A tática de Hamilton para pressionar seu rival foi bem calibrada, mas Rosberg conseguiu manter os nervos no lugar e, quando foi necessário, ousar. De forma calculada, com o regulamento embaixo do braço, como se costuma dizer, o alemão, desde o momento em que estabeleceu uma vantagem que o deixava livre da necessidade de vencer corridas, fez rigorosamente o que era necessário para chegar em segundo nas quatro provas finais e levar o título. Uma demonstração rara de sangue frio que transbordou em emoções quando concluiu a tarefa. Dizer que Hamilton é muito melhor que Rosberg não é uma verdade, ele demonstrou isso em 2016.
(Ilustração: Marta Oliveira)
Na Red Bull, segundo time do ano, Verstappen terminou a temporada em alta. Ricciardo, em baixa. Com duas corridas de recuperação que encheram os olhos da galera, Max reafirmou seu talento e é hoje uma unanimidade. Talvez seja ele o piloto que todos os chefes de equipe quisessem em seus times, um daqueles poucos que andam mais que o carro. Ricciardo é muito bom e no conjunto da obra superou seu companheiro de equipe, mas o holandês termina o ano com performances cintilantes, justo dizer que foi o maior destaque do time energético.
 
Na Ferrari, demovida à terceira força, o highlander Kimi Räikkönen teve alguns momentos que lembraram seus bons tempos, mas nada que justifique a insistência da Ferrari em mantê-lo. Vettel, por outro lado, esteve longe do piloto que havia caído nas graças da torcida em 2015. Com um começo de temporada encorajador, a Scuderia passou a receber forte cobrança por vitórias. Dali foi caindo de produção à medida que a temperatura subia, até jogar a toalha ao se ver superada também pela Red Bull.
 
A estratégia de Vettel em Abu Dhabi garantiu uma dose extra de emoção nas últimas voltas e finalmente pudemos ver uma boa prova do tetracampeão mundial. Com pneus novos e mais macios, andou muito forte e fez belas ultrapassagens no último stint. 
 
Quando superou Verstappen, pensei: é alemão, vai segurar a bronca e ajudar o compatriota a levar o caneco pra terrinha. Por outro lado, meu xará, estudioso de F1 e rockstar Dé Palmeira lembrou um aspecto ainda mais significativo: caso Hamilton vencesse o campeonato empataria com Vettel em número de conquistas. Assim, pareceu meramente cosmética a pressão da Ferrari em Rosberg nas voltas finais.
 
Tocante a despedida tímida de Jenson Button. O galã inglês, campeão mundial de 2009 e um dos mais boa praça na categoria, abandonou com a suspensão dianteira direita de sua Mclaren quebrada. Recebeu um caloroso aplauso do público, beijou a família e só, sem choro nem vela.
 
Essa coluna foi escrita sob o impacto da tragédia com o avião da Chapecoense que vitimou tantos atletas e colegas da imprensa. 2016 não teve muita coisa boa para contar e a última Apex do ano manifesta os sentimentos do autor e da ilustradora para com os familiares, parentes e amigos dessa turma toda.
 
Até a próxima! E que 2017 nos traga a alegria de volta.
 
Enquanto isso…
 
… um fio tênue ainda nos mantém respirando por aparelhos na categoria, enquanto a Manor não fecha sua dupla de pilotos… 
 
… o décimo lugar de Fernando Alonso no Mundial de Pilotos ao volante da McLaren Honda é um feito histórico…
 
… a defenestração de Ron Dennis faltando uma prova para o final de temporada é uma pílula amarga na carreira de um dos mais emblemáticos dirigentes da história da categoria. 
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube