Coluna Apex, por Andre Jung: Vermelho is the new black

ÉEm Montreal, pista de motor e freios, a Mercedes deve voltar a mostrar força e é fundamental que o faça. Caso a Ferrari também domine ali, a temporada já terá um favorito destacado

 

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : ‘pt’
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : ‘inread’
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
Um GP de Mônaco daqueles modorrentos e ofuscado por Alonso nas 500 milhas mais famosas do mundo. Quando a corrida acabou, fiquei pensando onde iria achar assunto, afinal, estava difícil lembrar de uma corrida menos emocionante – minha memória não é lá essas coisas, diga-se.

 
Dá para entender quando um piloto, à bordo de um carro às vezes 2s mais rápido por volta, perde a paciência e tenta uma manobra impossível. O caso de Jenson Button foi emblemático: estava engatado na traseira do carro de Wehrlein desde o início da corrida, até que uma hora a cabeça falhou, o saco encheu e ele tentou o que não devia. Acho que Sergio Peréz foi em um caminho parecido.
 
Sem dúvida a maior largura dos carros contribuiu bastante para que não tivéssemos muita ação, restando-nos acompanhar o rearranjo dos carros após a troca de pneus que os líderes realizaram apenas uma vez.
 
Do resultado podemos celebrar o fato de que, pela primeira vez desde a adoção dos motores híbridos, a Mercedes não é o time a ser batido. A dobradinha da Ferrari, com seus dois carros partindo da primeira fila, foi um prêmio merecido à equipe que encontrou um caminho diferenciado diante do que o novo regulamento proporcionou.
 
Enquanto todas as demais equipes produziram adaptações de seus modelos 2016 para as novas medidas, a Ferrari alterou radicalmente o conceito de seu carro, abrindo um caminho que parece ainda ter muito a ser desenvolvido, o que deixa a Mercedes sob grande pressão, coisa que ainda não havíamos presenciado.
(Ilustração: Marta Oliveira)
Vettel era bem mais veloz em ritmo de corrida do que Räikkönen e sua vitória foi justa, ainda que se possa levantar suspeitas de favorecimento à tática que a equipe adotou para cada um. Agora, o alemão tem 25 pontos de vantagem sobre Hamilton, vantagem confortável à essa altura do campeonato. Hamilton ainda mandou indiretas questionando a tática da Ferrari, coisa que só se aplica na tentativa de desarmonizar o adversário.
 
A escuderia italiana aproveitou bem a vantagem da menor distância entre eixos de seu carro numa pista estreita, de curvas fechadas, mas o excelente tempo de Bottas na classificação, quando ficou apenas 0s045 acima do tempo da pole, deixou claro que a Mercedes tinha mais a oferecer do que Hamilton conseguiu. Na prova, o inglês se redimiu, limitando o prejuízo anunciado com um suado sétimo lugar.
 
Em Montreal, pista de motor e freios, a Mercedes deve voltar a mostrar força e é fundamental que o faça. Caso a Ferrari também domine ali, a temporada já terá um favorito destacado.
 
Enquanto isso… 
 
… crescem as especulações sobre uma possível saída do fraco Jolyon Palmer antes do final da temporada… 
… há quem veja aí uma chance para Felipe Nasr voltar à categoria… 
… Nasr e Palmer duelaram pelo título da GP2 em 2014. Quem venceu foi o inglês, que em várias oportunidades manifestou seu descontentamento com o fato de que Felipe, vice-campeão, alcançou a F1 logo no ano seguinte, na sua frente.

ALONSO ATINGE NOVO PATAMAR NA HISTÓRIA DO AUTOMOBILISMO NA ESPETACULAR INDY 500

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = ‘ca-pub-6830925722933424’;
google_ad_slot = ‘8352893793’;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(‘crt_ftr’).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(‘cto_ifr’);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(‘px’)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write('’);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube