Coluna Rookie Text, por Vitor Fazio: Black Jack

Hoje, soa ridículo imaginar Vettel largando a Red Bull para fundar e pilotar a Vettel Racing Team, uma equipe sem estrutura e dinheiro. Pois foi exatamente o que Brabham fez: largou um time grande que passava por momentos difíceis para começar tudo do zero

O automobilismo ficou menor neste final de semana. Todas aquelas histórias românticas e épicas dos anos 50 e 60 perderam um pedaço, um personagem importante. Jack Brabham se foi, o esporte a motor já não é mais o mesmo.
 
Jack Brabham não era grande só porque foi o primeiro australiano a ter sucesso na Europa. . Não era importante só porque foi o melhor piloto da era pós-Fangio. Não era importante só porque foi o primeiro piloto a ser condecorado por um chefe de estado. Não era importante só porque foi o primeiro – e provavelmente último – louco que teve sucesso ao exercer os cargos de piloto e chefe de equipe ao mesmo tempo. Ele era importante porque era tudo isso ao mesmo tempo. Brabham reunia tudo que há de melhor no mundo dos elogios e adjetivações. Se Senna e Schumacher eram  pilotos excelentes e Ferrari e McLaren são equipes gigantes, Brabham era tudo isso em um só.
 
Se você ainda não percebe a grandeza desses atos, exemplifico. Hoje, soa ridículo imaginar Vettel largando a Red Bull para fundar e pilotar a Vettel Racing Team, uma equipe sem estrutura e dinheiro. Pois foi exatamente o que Brabham fez: largou um time grande que passava por momentos difíceis para começar tudo do zero. Foi um trabalho de formiga: de pouco em pouco, uma equipe que não tinha nada virou um bicho papão da segunda metade dos anos 60.
Jack Brabham morreu aos 88 anos na Austrália (Foto: Getty Images)
Jack sabia que esse processo ia lhe custar as vitórias de uma equipe estabelecida, mas ele não se importava. Já tinha dois títulos no bolso e uma equipe 100% australiana seria algo realmente inigualável, tão difícil que era (Emerson Fittipaldi, melhor exemplo, tentou e não conseguiu). O cruel e competitivo mundo dos esportes mostrou gentileza ímpar ao aussie. Como mágica, quase tudo que envolvia o nome Brabham tendia ao sucesso. Quase.
 
O único desgosto que o esporte lhe deu foi ver seus filhos falhando na F1. Viu Gary se arrastar pela lamentável Life e David tentando milagres com uma Brabham. Sim, o legado da equipe se estendeu à segunda geração da família. Mas já não era mais o mesmo time: aquela antiga equipe tinha sido vendida a Ron Tauranac, depois a Bernie Ecclestone e, passando de mão em mão, virou uma equipe de fundo do grid. Aliás, esse deve ter sido o segundo e último desgosto.
 
Em 2010, já com idade avançada, Jack foi até o Bahrein. Era a comemoração dos 60 anos da Formula 1 e a grande maioria dos campeões mundiais estavam presentes. Jack Brabham foi o único que não pilotou um de seus carros antigos. Já tinha 84 anos, era um idoso. Mas não só isso: era um piloto-idoso. Porque, qualquer que seja a forma que queiramos defini-lo, devemos sempre usar a palavra “piloto” antes. Era, acima de tudo, o que ele fazia, gostava e amava: esses carrinhos coloridos que andam em círculos e aos quais dedicou uma vida toda.
 
Vá em paz, Black Jack.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube