F1

Coluna Warm Up, por Flavio Gomes: Kimi

Lotus, negão. Fica aí mesmo. Carro preto e dourado, motor Renault, vai ser o mesmo em 2014, o Grosjean te trata com reverência, tem até medo de você, me contaram que um dia vocês chegaram juntos no motorhome e ele abriu a porta para você entrar primeiro

Warm Up / FLAVIO GOMES, de São Paulo
 
Pensei em te chamar para um papo de mesa de boteco, mas não sei se eu aguentaria seu ritmo. Essas coisas que vocês, nórdicos, bebericam são fortes demais para mim. Então, receba esta como sinal de estima e admiração. Fica aí com seu salmiakki que eu me viro aqui com minhas caipirinhas de jabuticaba.
 
E uma conversa não iria muito longe, também, visto que você não fala. O que deve estar dificultando as coisas quanto ao seu futuro. Quando eu leio nos jornais (“jornais” é modo de dizer; desconfio que ninguém mais lê jornais, aqueles de papel) que “Räikkönen conversa com Ferrari e Red Bull”, dou uma gargalhada. Räikkönen nunca conversa com ninguém. Desconfio que nem com seu empresário. Que é quem está resolvendo as paradas todas.
 
Bom, uma hora você vai ter de falar com o empresário. Nem que seja para dizer “sim” ou “não”. No fundo, você está certo. Quase tudo na vida se resolve com um “sim” ou com um “não”. Fala-se demais, às vezes.
 
Pois vamos às opções. Red Bull? Não. Diga “não”. Não adianta querer se iludir. Lá tem o Vettel e não sei se você vai ganhar dele. OK, pode ser até que ganhe, mas é arrumar dor de cabeça. Menos por ele, que talvez você seja capaz, mesmo, de andar na frente do moleque. Mas a equipe é cheia dos marqueteiros, o Horner é meio coxinha, o Marko é um mala, não vale a pena esquentar a moringa. E, depois, nada garante que no ano que vem eles vão ganhar o campeonato de novo. Ano que vem é um mistério. Pode ser que errem a mão. Acontece, uai. O Newey não vai fazer carro bom a vida inteira, não é possível.
 
Ferrari? Não. Diga “não”. Pensa bem, rapaz. Você já correu lá. Tem coisa mais chata? Os caras ficam te vigiando o tempo todo, não pode dizer isso, não pode dizer aquilo, se falar mal do carro o presidente fica bravo, o diretor faz biquinho, o cozinheiro deixa passar o ponto do macarrão, a mocinha serve o café expresso frio, se alguém espirrar e você quiser dizer “saúde”, só através de comunicado oficial, e é  aquele dramalhão a cada mau resultado, a cada carro errado, uma tragédia desgraçada, sai fora. Foram três anos, não? Já deu. Ganhou até um campeonato. Lucro absoluto.
 
Lotus? Sim. Diga “sim”. Veja bem, como dizia meu amigo Cyro César, saudoso locutor da Jovem Pan. Ou “veje” bem, como ele gostava de brincar. Onde mais você teria tanta liberdade para xingar neguinho pelo rádio, atrasar em entrevista, não ser escalado para evento promocional nenhum? Os caras nem têm patrocinador direito, não precisa subir nos HCs e distribuir sorrisos e autógrafos, tirar fotos com executivos e seus filhotes, é a equipe mais legal do paddock, disparado. Sossego total, não tem cobrança, se ganhar, ganhou, se não ganhar, não ganhou, se vier um pódio, muito que bem, se não vier, está tudo bem também.
 
E dá para ganhar aqui e ali, o carro não quebra, já são quantas corridas nos pontos? E eles tiram uma onda da sua cara, fazem piadinhas, não têm nenhuma preocupação com aquelas babaquices politicamente corretas, você toma cerveja no paddock, usa chinelo Rider (isso eu vetaria), se veste como um jacu, sai de férias quando quer, enche a cara com os amigos, ninguém fica te policiando, tem vida melhor?
 
Assim, para resumir, dois “nãos” e um “sim”. Fique onde está. Já imaginou correr com o Alonso? O cara só dá risada quando ganha corrida. Parece que não tem mais nada importante no mundo. Vive citando frases orientais de auto-ajuda no Twitter. Onde ele pega essas frases? No Google? Se acha um samurai injustiçado pelo destino. Não deve beber nem sidra Cereser. Quando está de folga, fica andando de bicicleta e fazendo ginástica. E o Vettel? Chorãozinho, reclama de tudo, não pode passar pela direita, não pode passar pela esquerda, não pode colar atrás, ui ui ui, olha o que ele fez, por que ele fez isso, um malinha, vamos e venhamos.
 
Lotus, negão. Fica aí mesmo. Carro preto e dourado, motor Renault, vai ser o mesmo em 2014, o Grosjean te trata com reverência, tem até medo de você, me contaram que um dia vocês chegaram juntos no motorhome e ele abriu a porta para você entrar primeiro, ninguém sabe quem vai andar bem no ano que vem, vai por mim, fica aí.
 
Só vê direito esse negócio da grana. Estão pagando nos conformes? CLT, na carteira? Ou é PJ? Terceirizaram, é? Bom, cada um sabe onde o calo aperta. Combina aí um salário e pronto. O combinado não é caro. Dando para tomar uns tragos e alugar um barquinho no verão, comprar uma boa motocicleta e um Lada (eu sei que foi seu primeiro carro, amoleça seu coração uma vez na vida, vai atrás de um igual), está de bom tamanho. Mas não deixa os caras atrasarem, não. Isso é sagrado.
 
Abraços, boa corrida aí na Bélgica. Aproveita e toma umas cervejas daquelas dos monges. São caras, mas excelentes. Depois da corrida, de preferência.