F1

Com apoio do pai de Stroll, Williams vai atrás de Alonso e põe em risco sequência de Massa na F1

Com a bênção do bilionário canadense Lawrence Stroll, pai de Lance Stroll, a Williams entrou na briga para contar com Fernando Alonso na temporada 2018 do Mundial de F1. A bomba foi publicada pela revista alemã 'Auto Motor und Sport'

Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro

Uma das grandes interrogações do mercado da F1 para a temporada 2018 está no destino de Fernando Alonso, que segue jurando ter o tricampeonato mundial como prioridade e quer receber um "projeto campeão" até o fim do ano para definir se fica na categoria ou se procura novos ares. E, segundo uma novidade publicada nesta sexta-feira (25), o futuro de Alonso talvez esteja em Grove. A Williams surgiu como possibilidade real para o piloto hoje na McLaren.
 
A informação bombástica foi publicada pela revista alemã 'Auto Motor und Sport'. Segundo a publicação, a oportunidade de a Williams contar com Alonso se dá por meio de Lawrence Stroll, o pai de Lance. O bilionário canadenese acredita que a experiência e retorno técnico que Alonso pode dar para a equipe é a melhor forma possível de fazer Lance se desenvolver.
 
A informação significa que Felipe Massa tem uma chance ainda maior de deixar a Williams e a F1. Após voltar da aposentadoria para ocupar o espaço deixado por Valtteri Bottas em 2017, Massa parecia bem posicionado para pelo menos mais duas temporadas na casa que o acolheu em 2014. Mas o apoio total e irrestrito do Stroll sênior a Alonso explicita uma porta que ameaça se fechar para Felipe. 
Williams (Photo: Xavier Bonilla / Grande Premio)
Depois de Indianápolis, Alonso declarou uma série de vezes que tomaria uma decisão sobre a próxima temporada em setembro. Ainda farto com a Honda e as sucessivas quebras, havia colocado como condição um carro vencedor por parte da McLaren. O que significava, em linhas gerais, que o espanhol não continuaria na equipe. Mas as férias vieram, e com elas um novo prazo: novembro.
 
Até aí, parecia que não havia outra opção a não ser renovar com o time de Woking, já que as portas de Mercedes, Ferrari e Red Bull — o trio-de-ferro da categoria — estão devidamente fechadas. Só que, junto com tais declarações, Alonso sempre falou em plano B e até C. Que todos pensavam ser, em último caso, a Renault.

Por sua vez, a Williams também se mostra completamente desiludida com a temporada. Em quinto, muito atrás da Force India e com sérias perspectivas de ficar atrás da Renault, o time de Grove tem em Massa sua base de pontos, apesar de Stroll ter conseguido um pódio impressionante no Azerbaijão. Há uma disparidade grande entre o veterano de 36 anos e o jovem de 19. Mas a Williams é dependente de grana — por isso que está com Stroll. E tem um patrocinador, a Martini, que aciona as leis europeias que indicam que um de seus atores de propaganda têm de ter mais de 25 anos.

Tudo isso no balaio, a Williams foi se oferecer para Alonso. Que seria um ótimo divulgador da marca de drinques e, principalmente, um exímio exemplo para a evolução de Stroll na equipe. Daí o pai do rapaz se empenhar tanto para trazê-lo. E se for necessário dinheiro, já se sabe de onde viria a nada módica quantia.
 
A questão é que a Williams é o caso inverso da McLaren: tem um baita motor, o da Mercedes, mas tem um chassi chinfrim; o da McLaren, ao menos, funciona, e aos poucos a Honda tem achado um caminho.

Em qualquer situação, Alonso só vai fechar um acordo de um ano para ter vida livre para 2019. Ali poderia escolher, por exemplo, a já citada Renault, que organiza todos os seus planos para voltar a ser grande naquela temporada.

Na Bélgica, nesta sexta-feira, Massa bateu logo no primeiro treino livre e acabou fora de combate pelo resto do dia. Alonso, por outro lado, fez o 11º tempo no TL2 em Spa-Francorchamps.
RENOVAÇÃO COM RÄIKKÖNEN DIZ MUITO SOBRE O QUE É A FERRARI E SEU PENSAMENTO SOBRE A F1