F1

Com carro “em estágio avançado de construção”, Manor anuncia Stevens como titular na temporada 2015 da F1

Em um comunicado distribuído pelas redes sociais, a Manor afirmou que segue empenhada em estar no grid da F1 no GP da Austrália. Com carro está em “estágio avançado de construção”, equipe anunciou que Will Stevens será titular do time em 2015
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Manor F1 Team no Twitter (Foto: Divulgação)
A Manor não entregou os pontos e segue trabalhando para estar no grid da F1 no GP da Austrália, prova que a temporada 2015 do Mundial. 
 
Nesta quarta-feira (25), em um comunicado distribuído pelas redes sociais, a equipe afirmou que o carro está “em estágio avançado de construção” e anunciou que Will Stevens, que foi reserva da Marussia na parte final de 2014, será titular do time neste ano.
Will Stevens vai ser titular da Manor em 2015 (Foto: Getty Images)
“Um elemento fundamental da filosofia da Manor sempre foi prover uma oportunidade para a geração futura de talentos do esporte a motor, uma parte longa e orgulhosa da história do time”, diz o texto da equipe. “A Manor iniciou muitos jovens pilotos no caminho do sucesso, incluindo os campeões de F1 Lewis Hamilton e Kimi Räikkönen”, continuou.

Ex-Marussia, a  Manor deixou a administração judicial no último dia 19 e conseguiu um acordo para ter os motores V6 turbo da Ferrari para as 20 provas do ano.

De acordo com a equipe, desde que deixou a administração judicial, a Manor trabalha ininterruptamente no desenvolvimento dos componentes chave para a temporada 2015 da F1. 
 
“O carro com que a Manor vai começar a temporada está agora em estágio avançado de construção na atual instalação do time em Donington, Reino Unido, onde o pessoal está trabalhando 24 horas por dia, sete dias por semana, em direção a data de fretamento aéreo de 6 de março”, diz a nota da escuderia. 

Anunciado como titular da equipe, Stevens celebrou a oportunidade e exaltou o enorme esforço da Manor para salvar a equipe após as sérias dificuldades financeiras que a afastaram do grid no fim do Mundial do ano passado.
 
“É muito empolgante ver tudo dar certo na Manor após o tremendo esforço que foi feito para salvar o time”, disse Stevens. “Isso não teria sido possível sem o incrível apoio que recebemos de todos os fornecedores e de dentro do esporte, mas, acima de tudo, do fantástico grupo de pessoas da Manor, que estão trabalhando contra o relógio para garantir que estejamos prontos para Melbourne”, elogiou.
 
“Meu obrigado ao time pela confiança em mim e mal posso esperar para ver todo o trabalho duro recompensado quando alinharmos no grid em duas semanas”, concluiu.
 
No início do mês, o Grupo de Estratégia da F1 rejeitou um pedido da antiga Marussia para correr utilizando o carro do ano passado, mas a equipe segue presente na lista de inscritos divulgada pela FIA (Federação Internacional de Automobilismo).
OS CAMINHOS DO AZAR

A série de coincidências e erros que rondam um círculo vicioso aproximam Chris Amon de Fernando Alonso. OK, um não tem vitória na carreira e outro tem dois títulos, mas chega a impressionar como o espanhol trilha o mesmo caminho de azar do neozelandês desde então. Com um detalhe: Amon passou por McLaren e Ferrari. Com outro detalhe: assim que Amon deixou a Ferrari, os italianos acertaram a mão no carro... Leia a análise completa em texto assinado por Victor Martins no GRANDE PRÊMIO
AINDA NÃO DÁ

A divisão de forças da F1 2015 não está nada clara para os campeões mundiais Sebastian Vettel e Jenson Button. Ambos disseram que ainda não têm noção do quão rápido cada time será quando o campeonato começar no dia 15 de março, na Austrália.
 
Para o tetracampeão, agora na Ferrari, será preciso aguardar pelo início das corridas para entender como serão as disputas. Além disso, o alemão acredita que as atualizações de motor provocarão muitas mudanças no decorrer da temporada. Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO
AÍ NÃO DÁ

Não é de hoje que Felipe Massa sente que a decisão de assinar com a Williams foi acertada, depois de ter sido dispensado pela Ferrari no fim de 2013. O piloto permaneceu na equipe italiana durante oito temporadas, foi vice-campeão em 2008, mas viveu também um período de altos e baixos e contratempos com o companheiro Fernando Alonso. No fim, a falta de resultados acabou provocou sua saída do time. Sem demora, o brasileiro fechou com a esquadra inglesa, que agora atravessa uma fase de renascimento na F1, depois do ano competitivo em 2014.
 
Indo para o segundo ano na escuderia de Grove, Massa concordou que a parceria com os ingleses representou um novo sopro de vida, falou em respeito e confiança e ainda deu uma leve alfinetada na antiga empregadora. "Definitivamente foi", disse Felipe ao ser perguntado pelo site oficial da F1 se vive de fato uma nova fase na carreira. Leia a reportagem completa no GRANDE PRÊMIO