Com mercado em crise, Ecclestone descarta entrada da F1 na bolsa de valores neste ano

A entrada do Facebook na bolsa de valores não vem sendo um grande negócio e, por esses e outros motivos, Bernie Ecclestone descarta a entrada da F1 no mercado de ações neste ano e coloca 2013 como meta mais realista

A crise econômica que afeta o mundo também chegou na F1 e Bernie Ecclestone confirmou que a entrada da categoria no mercado de ações em Cingapura foi adiada, por enquanto, para o próximo ano ou até que a situação nas bolsas de valores melhore.

"A entrada na bolsa de valores não vai acontecer este ano, mas no próximo ano por causa da mudança mercados", disse o dirigente ao jornal inglês ‘Daily Telegraph’. "Sem IPO (Oferta Pública Inicial), apenas o Manchester United conseguiu entrar na bolsa. Fiquei surpreso que deixaram passar naquele preço”, explicou.

Ecclestone vai esperar a melhora do mercado de ações para dar o próximo passo (Foto: Facebook)

O dirigente desmentiu que o adiamento da entrada da F1 no mundo dos negócios da bolsa de valores se deu pela negativa da Mercedes em aceitar o novo acordo de concórdia, que engloba a divisão do dinheiro da categoria, e que, por isso, cogitava a saída da categoria,

"A Mercedes vai ficar", garantiu Ecclestone, quando perguntado sobre o assunto. "Eles não assinaram o acordo comercial porque ainda não olharam o contrato”, completou.

Outro obstáculo para a entrada da F1 no mercado de ações foi a entrada do Facebook. Grande negócio do ano, a rede social administrada por Mark Zuckerberg entrou na bolsa de valores, mas vem enfrentando problemas e, comparado com os IPOs dos primeiros dias, os papeis vem caindo e atualmente estão em pouco mais de US$ 20 (R$ 42), 46% a menos do que em maio. Caso a categoria optasse por entrar no mercado, seria o segundo maior negócio de 2012.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube