F1
24/02/2018 14:23

Com meta do primeiro pódio em mente, Hülkenberg vê Renault capaz de destronar Force India do top-4 em 2018

Contratado pela Renault para liderar um projeto capaz de levar a equipe de Enstone de volta aos seus bons tempos, Nico Hülkenberg entra em 2018 muito otimista com a temporada que está por vir. Piloto com mais GPs sem um pódio na F1, o alemão acredita que pode finalmente quebrar o jejum neste ano, além de ajudar o time aurinegro a ser o ‘melhor do resto’ no Mundial de Construtores
Warm Up / Redação GP, de Sumaré
 O novo (e verdadeiro) carro da Renault para 2018 foi à pista neste sábado em Barcelona (Foto: Renault Sport F1)

Grande contraponto em relação ao jovem companheiro de equipe Carlos Sainz Jr., Nico Hülkenberg é a referência em termos de experiência para a Renault na temporada 2018 da F1. O alemão de 30 anos vai disputar sua segunda temporada pela escuderia aurinegra com dois objetivos muito claros. O primeiro é o de quebrar o jejum de 135 GPs sem pódio — recorde do Mundial —, e depois ajudar a levar a Renault ao posto de ‘melhor do resto’. Nas duas últimas temporadas, equipe que terminou logo atrás das poderosas Mercedes, Ferrari e Red Bull foi a Force India, quarto lugar nos Construtores.
 
Desde que voltou ao Mundial de F1 como equipe após comprar a Lotus, no fim de 2015, a Renault notoriamente deu seus saltos de qualidade. Com uma dupla muito instável formada por Kevin Magnussen e Jolyon Palmer, o time anglo-francês somou apenas oito pontos e finalizou em nono dentre as então 11 equipes do grid. Na última temporada, graças sobretudo a Hülkenberg, a Renault marcou 57 pontos e terminou em sexto lugar.
 
Assim, o alemão acredita que a equipe baseada em Enstone pode alçar voos mais altos se continuar com a mesma velocidade de evolução das últimas temporadas também em 2018.
Nico Hülkenberg prevê tempos ainda melhores, para ele e para a Renault, em 2018 (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
“Acho que temos de melhorar num ritmo parecido neste ano em relação ao que foi no ano passado. Em 2017 nós conseguimos avançar muito bem ao longo da temporada, portanto acho que nosso trabalho é novamente garantir o mesmo neste ano. Se conseguirmos fazer isso, vamos ter chances muito boas de provavelmente ser a primeira equipe atrás do top-3”, comentou o experiente piloto, vencedor das 24h de Le Mans de 2015, em entrevista ao site norte-americano ‘Motorsport.com’.
 
Hülk entende que a evolução apresentada para que a Renault alcance seu objetivo tem de ser apresentada desde o início da pré-temporada para ser bem diferente do que aconteceu no ano passado em Barcelona. Questionado sobre a meta para os trabalhos que começam na próxima segunda-feira, Nico não titubeou. 
 
“Testar sem problemas. Ano passado nós tivemos um inverno com muitos problemas durante os testes. Acho que neste ano estamos muito mais organizados, e tudo está num nível muito melhor, portanto vamos buscar completar muitos quilômetros e aprender o máximo possível sobre o novo equipamento”, afirmou o piloto.
 
Por fim, Hüllkenberg não chegou a falar sobre incômodo pelo jejum, mas deixou claro que está focado em finalmente apreciar o sabor do champanhe no pódio da F1.
 

“Isso é algo que almejo conseguir. Quero vencer, mas essas coisas não acontecem da noite para o dia. Talvez em uma corrida com sorte, onde aconteçam vários abandonos ou em condições atípicas, mas sabemos todos que para vencer neste esporte você precisa também da ferramenta certa, e ainda não a tive”, salientou. Nico acabou ficando perto, sobretudo em sua segunda passagem pela Force India, entre 2014 e 2016. Neste período, seu então companheiro de equipe, Sergio Pérez, terminou quatro provas no top-3.
 
“Sim, tive algumas oportunidades de pódios que não se concretizaram, mas agora estou numa posição com a Renault onde estamos buscando avançar até uma posição na qual possamos vencer pelo mérito e lutar por vitórias e pódios consistentemente”, finalizou o dono do carro #27.