Com metade dos pontos de Vettel, Räikkönen fala em nova decepção e culpa “largada ruim” no Bahrein

Na terceira etapa da temporada 2017 da F1, Kimi Räikkönen foi mais uma vez o mais discreto dentre os quatro pilotos das forças dominantes do campeonato, ficando atrás de Sebastian Vettel — seu companheiro de equipe na Ferrari —, Lewis Hamilton e Valtteri Bottas. Sem jamais pelejar pelo pódio, o ‘Homem de Gelo’ terminou novamente em quarto e agora soma 34 pontos, contra nada menos que 68 de Vettel

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Kimi Räikkönen ainda não convenceu na temporada 2017 do Mundial de F1. Enquanto seu companheiro de Ferrari, Sebastian Vettel, tem um início de campeonato brilhante e lidera com 68 pontos, o ‘Homem de Gelo’ jamais chegou a lutar por pole-position e tampouco pelas vitórias, ficando fora do pódio nas três primeiras provas do ano. Enquanto Vettel comemorou mais uma vitória e agora soma 68 pontos no Mundial, Räikkönen foi novamente discreto, não passou de um quarto lugar no GP do Bahrein e soma exatamente a metade da pontuação do alemão: 34 tentos.

 
Räikkönen terminou pouco mais de 2s atrás de Valtteri Bottas, que completou o pódio em Sakhir. O finlandês da Ferrari entende que o resultado lhe foi decepcionante por um aspecto fundamental: a largada. Kimi largou em quinto, mas foi superado por Felipe Massa e por Max Verstappen. Kimi só conseguiu começar a se recuperar na oitava volta, quando ultrapassou o brasileiro, mas então o nórdico já tinha perdido contato com os líderes.
 
O finlandês ganhou a posição de Verstappen quando o holandês abandonou a prova e acabou tirando proveito da parada de box para passar Daniel Ricciardo. Contudo, não houve a menor chance de Kimi lutar pelo pódio, mesmo com a perda de rendimento da Mercedes de Bottas nas voltas finais. Por isso, mais uma vez, Kimi encerra um fim de semana de F1 com sentimento de decepção, ainda que seu carro esteja a apresentar nítida evolução, como vem mostrando Vettel desde o início do campeonato.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Kimi Räikkönen continua devendo em 2017 (Foto: Ferrari)
“De certa forma, muitas coisas boas aconteceram neste fim de semana, mas no fim das contas o resultado ainda é decepcionante. O carro funcionou muito bem e, para ser sincero, eu esperava por isso. Tive uma largada ruim e, por conta disso, as duas primeiras curvas foram muito ruins”, explicou o veterano de 37 anos.
 
“Obviamente que, depois disso, eu alcancei o grupo, consegui passar Massa razoavelmente rápido. Então fiz meu pit-stop, mas tive azar com o safety-car”, comentou o piloto, lembrando do incidente entre Carlos Sainz Jr. e Lance Stroll, que resultou na intervenção do SC na volta 13 do GP do Bahrein.
 
“A impressão no geral era boa, fui rápido, mas obviamente que o tempo perdido na largada não me ajudou. Nós nos colocamos em uma posição difícil”, reconheceu.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Desta vez, diferente do que ocorreu no último GP da China, Räikkönen não criticou a Ferrari, pelo contrário, mas admitiu que ele próprio, Kimi, está devendo, sobretudo em ritmo de classificação.

 
“Senti que nós fizemos absolutamente as coisas certas e, num panorama geral, nós estamos realmente onde queremos estar, mas ainda precisamos ajustar algumas coisas. É tudo sobre como encaixar a volta. Precisamos largar mais à frente, e então nossas corridas vão ser mais fáceis”, finalizou o quarto colocado do Mundial de Pilotos.
 
PADDOCK GP #73 DEBATE: VERSTAPPEN É O PILOTO MAIS IMPRESSIONANTE DA F1?

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube