Com pedido de Pérez e Mercedes, Justiça britânica decreta falência e põe Force India em administração

A crise da Force India vinha se abrindo mais e mais como irreversível nos últimos meses e chegou ao ápice nesta sexta-feira (27): a Suprema Corte de Londres definiu pela falência do time de Silverstone e colocou em administração judicial. O grupo Brockstone, ligado a Sergio Pérez, fez um pedido para assumir o comando da escuderia por conta de dívidas. A Mercedes e a BWT apoiam a movimentação

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

O destino da Force India já era uma grande interrogação, mas agora há uma certeza: a equipe que terminou os últimos dois Campeonatos de Construtores da F1 com a quarta colocação, está oficialmente em administração judicial. A decisão pelo decreto de falência foi tomada pela Suprema Corte da Inglaterra, em Londres, e confirmada à BBC pelo chefe-adjunto Robert Fernley nesta sexta-feira (27).

 
Com altas dívidas e sem ter um dono há dois meses, como informou o GRANDE PRÊMIO, a situação já havia sido identificada como "crítica" por Sergio Pérez. A crise financeira é antiga, mas não impediu um bom rendimento nas pistas até este ano. 
 
De acordo com o site inglês 'Racefans,net', a companhia Brockstone, ligada a Pérez e seu empresário Julian Jakobi fez um pedido aos administradores judiciais para que seja ela a comandar os rumos da Force India daqui por diante, por conta de uma dívida que a equipe tem com o grupo. A Brockstone é uma companhia com sede na Ilha de Guernsey, localizada no meio do Canal da Mancha. 
 
Pérez está na Force India desde 2014 e não é segredo que o forte aporte financeiro do grupo mexicano de telecomunicações comandado pelo magnata Carlos Slim salvou a equipe neste período. 
 
A equipe legal da Brockstone foi à Corte na última quarta-feira e afirmou ser "improvável" que a equipe pague as dívidas em questão e que seus donos "não devem ajudar financeiramente", de acordo com o site. O montante que a Force India deve à companhia chega a US$ 4 milhões – cerca de R$ 14,8 milhões.
Sergio Pérez (Foto: Force India)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A Mercedes apoiou o pedido da Brockstone para que passe a administrar a equipe, porque a Force India deve € 10,5 milhões – quase R$ 45,5 milhões – ao grupo Daimler/Mercedes. A BWT, principal patrocinadora, foi outra que manifestou apoio.

 
Embora o primeiro nome a sair, a Brockstone não é necessariamente a única a pedir o controle da equipe daqui por diante. O certo é que, agora em administração, a equipe oficialmente deixa o comando de Vijay Mallya – condenado por uma série de fraudes na Índia e que está prestes a ser extraditado da Inglaterra para o país de origem. 
 
Michael Andretti, o bilionário russo Dimitry Mazepin – pai do piloto de desenvolvimento da Force India Nikita Mazepin – e um grupo de empresários americanos com o ex-piloto Tavo Hellmund à frente estão entre os candidatos. Lawrence Stroll, de acordo com o site 'Motorsport Week', busca apenas uma vaga para seu filho Lance no time.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube