Comentarista e ex-piloto, Brundle conta que sofreu ataque cardíaco em frente às câmeras no GP de Mônaco

Martin Brundle, comentarista na TV inglesa e ex-piloto da F1, infartou durante o trabalho na emissora Sky Sports no GP de Mônaco do ano passado. O ataque cardíaco aconteceu quando Brundle correu da cabine de transmissão para o pódio no circuito de Monte Carlo

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

O que se sabia até agora, janeiro de 2017, era que Martin Brundle tinha tido problemas cardíacos que o impediram de fazer a cobertura do GP do Canadá de F1 no papel de analista que desempenha para a rede de TV inglesa Sky Sports no ano passado. Mas foi ainda muito mais sério do que isso. Brundle, piloto da F1 por 13 anos entre 1984-1996, sofreu um infarto enquanto estava no ar na TV trabalhando no GP de Mônaco de 2016.

 

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
O GP monegasco aconteceu em 29 de maio, mas foi apenas mais de uma semana depois, em 9 de junho, que Brundle revelou no Twitter que havia passado por um procedimento médico e ficaria de fora da corrida do Canadá naquela semana. Foi apenas duas semanas depois, quando ia participar da corrida de suporte para as 24 Horas de Le Mans com um carro LMP3, que Brundle informou que o problema havia sido no coração.

 
Mas a extensão do problema ainda não havia sido esclarecido. Nesta semana, falando num evento em Birmingham, na Inglaterra, contou que o infarto aconteceu no ar, quando deu o pique para sair da cabine de transmissão e se dirigir ao pódio onde iria entrevistar os três primeiros colocados. No fim das contas, apesar do problema, ainda conseguiu fazer as entrevistas.
 
"Eu tive um pequeno ataque cardíaco correndo para o pódio em Mônaco", contou. "Terminei com um stent de 23 mm na minha artéria descendente esquerda", seguiu.
Martin Brundle (Foto: Reprodução/Youtube)
Alguns dias depois estava em Le Mans, retornando da aposentadoria e largando na pole-position. A participação o rejuvenesceu.
 
"Sentei na coletiva de imprensa e vi um jovem de 17 e outro de 39 anos ao meu lado, e pensei: 'Até que não é ruim para um velho de 57 anos'. Não achei que eu pudesse correr, mas o cardiologista disse 'Sim, você podem, mas não esqueça seus afinadores de sangue", lembrou. "Eu tinha machucados por todo o meu peito e pensei 'Amo Le Mans, não vou perder isso", encerrou.
 
Como piloto na F1, Brundle largou em 158 corridas e foi ao pódio nove vezes guiando por Tyrrell, Zakspeed, Williams, Brabham, Benetton, Ligier, McLaren e Jordan.

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube