Confira declarações dos pilotos após classificação do GP de Portugal 2020 de F1

O que os pilotos falaram após a disputa da classificação para o GP de Portugal? Menos reclamações sobre a aderência da pista de Portimão, e mais expectativa para o domingo de corrida

Depois de uma sexta-feira em que os pilotos se focaram em reclamar da falta de aderência da pista de Portimão, neste sábado (24) o tom das declarações mudou para as expectativas para a corrida, a 12ª da temporada 2020 da F1. Claro, cada um dentro de suas possibilidades: para Lewis Hamilton e Valtteri Bottas, o pensamento é em como vencer; lá atrás, é como subir no grid.

Sendo assim, o GRANDE PRÊMIO traz todas as declarações que os pilotos derram após a sessão que definiu as posições para a etapa portuguesa da F1.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

A ótima volta de Hamilton, que rendeu a pole, foi conquistada nos últimos segundos do treino em Portimão (Foto: AFP)
Confira as declarações:

Lewis Hamilton, primeiro: Hamilton garante pole em Portimão “cavando, cavando e cavando tempo” para bater Bottas

Valtteri Bottas, segundo: 2º, Bottas desabafa após outra pole de Hamilton: “É difícil conseguir voltas perfeitas”

Max Verstappen, terceiro: Em 3º, Verstappen prega largada cautelosa e quer “sentir seu caminho” no GP de Portugal

Max Verstappen sai em terceiro no GP português (Foto: Red Bull Content Pool/Getty Images)

Charles Leclerc, quarto: Surpreso, Leclerc diz que “teve colhões” para conquistar quarto lugar no grid em Portugal

Sergio Pérez, quinto: Pérez valoriza 5º lugar no grid em Portugal: “Começamos perdidos, mas avançamos”

Alexander Albon, sexto: Apenas 6º, Albon explica uso de pneus médios no Q3: “Macios são impossíveis de aquecer”

Carlos Sainz, sétimo: Dupla vê McLaren melhor que em Nürburgring e mais perto “que há tempos” da Mercedes

Lando Norris, oitavo: “Uma classificação dura. Venho sofrendo com o carro no final de semana, até pela falta de aderência e pelo vento. Fizemos um bom trabalho, mas tem sido difícil. Não tive um bom equilíbrio até aqui e sofro em ficar confiante com o carro em toda sessão, mas acho que tiramos o máximo dele e temos um carro competitivo. Talvez, se tivesse mias uma chance, teria melhorado, mas foi complicado dar uma boa volta com o tráfego. Estou ansioso para a corrida e espero lutar por pontos.”

Lando Norris (Foto: Beto Issa)

Pierre Gasly, nono: “A equipe fez um grande trabalho com o carro hoje. Eles mal dormiram noite passada para reconstruir o chassi, e tudo deu certo, então muito obrigado a eles pelo esforço. Fomos muito competitivos no TL3, mas estou um pouco desapontado com a classificação porque éramos rápidos. Vimos que quando não há vento o carro vai bem, mas quando ele surge fica mais difícil – e foi o caso no Q2 e no Q3. Estou feliz com o nono lugar, mas acho que dava para ir mais para cima. É uma pista nova, e da última vez que tivemos uma novidade, em Mugello, muita coisa aconteceu. Então será importante agarrar toda oportunidade que surgir.”

Daniel Ricciardo, 10°: “É muito difícil encontrar o equilíbrio do carro nesta pista e acho que as mudanças de temperatura e do vento também complicaram. Tivemos um problema pequeno com o DRS ao final do TL3 e acho que nosso ritmo de volta não está tão bom. Passamos do Q1, mas foi bem apertado no Q2 e, depois, rodei, o que foi o final da minha sessão. Ach que dá para tirar mais do carro, é uma pena que não andamos no Q3, mas os caras da equipe deram o melhor para que eu pudesse tentar. Tudo em jogo para amanhã, vamos ver o que poderemos fazer.”

Esteban Ocon, 11°: “Uma pena cair no Q2, sofremos com o carro durante todo o final de semana até aqui. Demos boas voltas pela manhã, mas é difícil achar um bom equilíbrio aqui, acho que todos têm sofrido com isso. O vento aumentou pela tarde, o clima mudou, e acho que isso aumentou o desafio na classificação. Vamos ver o que é possível fazer amanhã, temos escolhe de pneus e podemos ir bem se tivermos uma boa largada.”

Esteban Ocon ficou fora do top-10 (Foto: Beto Issa)

Lance Stroll, 12°: “Já tive sábados melhores, foi uma classificação confusa. Sofri com o equilíbrio do carro e ele esteve inconsistente. Às vezes eu consegui dar uma boa volta, como foi no Q1, mas no Q2 o carro estava escapando mais. As condições também mudaram bastante, acho que por causa do vento e da pista, e isso não ajudou em termos de tempo de volta. Vamos observar tudo e voltar mais fortes amanhã. Do meu lado, perdi o último final de semana, então acho que estou demorando a voltar ao ritmo. Espero uma corrida em que, se eu largar bem, possa brigar por pontos.”

Daniil Kvyat, 13°: “Foi uma sessão difícil e não acho que tinha confiança em forçar o carro, ele estava bem solto e sentindo muito o vento. Toda vez que tentei forçar eu saía do traçado, então não dava para ir muito além, não pilotava em condições ruins como essa em algum tempo. Acho que será uma corrida interessante e complicada, mas teremos oportunidades de alcançar os pontos.”

George Russell, 14°: “É uma pista fantástica e o carro estava bom. Ao final, acho que ficamos apenas um décimo e meio atrás do P11, o que é extraordinário para nós. Estamos dando o máximo que podemos para tirar tudo do carro, estamos vendo um bom progresso e o trabalho duro está dando dividendos. Temos um carro bom para a corrida, mas vamos ver como tudo rola, já que ninguém sabe como os pneus vão funcionar neste circuito. Vai ser bacana, potencialmente teremos chuva, vamos dar tudo que temos.”

George Russell em Portimão (Foto: Williams)

Sebastian Vettel, 15°: Vettel vê Leclerc em outro patamar e se rende: “Não há nada que eu possa fazer”

Kimi Räikkönen, 16°: “O carro pareceu bom pela manhã depois das mudanças que fizemos de noite, mas o vento aumentou e começamos a sofrer. No geral, o carro se comportou bem, mas no momento em que o vento veio foi uma experiência dolorosa. Tentamos encarar, fizemos o que pudemos mas não foi o suficiente. Em diferentes condições teria sido uma história completamente diferente, mas as condições são as mesmas para todos. Obviamente estou desapontado, mas temos amanhã para recuperar algumas posições.”

Antonio Giovinazzi, 17°: “As condições de aderências estavam um pouco melhores hoje, mas continuou a ser um desafio. Acho que demos o máximo mais uma vez, só não foi o suficiente para um lugar no Q2. Começar do fundo não é fácil, mas podemos fazer nossa corrida e ver no que dá. Precisamos de uma boa largada e aproveitar as oportunidades, especialmente se o clima influenciar. A aderência segue baixa e tudo pode acontecer.”

Romain Grosjean (Foto: Haas)

Romain Grosjean, 18°: “O circuito é bem legal, uma montanha-russa. Eu colocaria brita na curva 1 e na curva 4 para nos livrarmos dos problemas de limite de pista, acho que isso apimentaria as coisas nas curvas de alta velocidade. Com esse desenho, curvas de baixa velocidade vão ser sempre difíceis para nós. Sofremos com hiperaquecimento da traseira do carro, na minha suspensão, o equilíbrio ficou mudando de volta para volta… Não sei onde terminaremos na corrida. Há incertezas, como a chance de chuva, e seria bom para nós. Vamos tentar tirar algo da cartola.”

Kevin Magnussen, 19°: “Alguma frustração hoje. Tivemos um problema com o carro e só pudemos dar duas voltas a cada saída, e o plano era dar três, pelo menos com o primeiro jogo de pneus. Além disso, peguei tráfego na segunda volta, então não pude aprender muito sobre os pneus. Acho que, considerando tudo, dei uma boa volta, a melhor que poderia. Mas, claramente, não temos um bom ritmo. Vamos ver o que podemos fazer na corrida. Vamos ver o que acontece amanhã.”

Nicholas Latifi: 20°: “Não acertei minhas voltas e estou frustrado comigo mesmo. Havia mais velocidade no carro. Tive uma volta apagada porque ultrapassei os limites de pista, e foi um erro meu – depois, não consegui acertar mais. Há muitos fatores desconhecidos para a corrida. Realizamos mudanças grandes no carro e ele está melhor, o que me deu confiança. Espero que isso signifique um melhor ritmo de corrida.”

A largada do GP de Portugal está marcada para 10h10 (de Brasília). Antes, a partir de 9h, o GRANDE PRÊMIO traz a edição pré-corrida do Briefing com a análise do treino classificação e as últimas informações de PortimãoTudo na GPTV, o canal do GP no YouTube.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube