Confira declarações dos pilotos após GP de Cingapura, 14ª etapa da temporada da F1

Entre os pilotos que ficaram fora do pódio, Paul Di Resta conseguiu a quarta colocação no circuito de Marina Bay. Outros destaques foram a nona posição de Daniel Ricciardo, com a Toro Rosso, e o 12º lugar de Timo Glock, da Marussia

Lewis Hamilton quebrou no momento em que liderava o GP de Cingapura, neste domingo (23), e quem aproveitou a chance para vencer mais uma na temporada foi Sebastian Vettel, que, com o resultado, assumiu a segunda colocação do campeonato. Jenson Button e Fernando Alonso completaram o pódio da corrida.

Entre os outros pilotos, o grande destaque da corrida noturna no circuito de Marina Bay foi o escocês Paul Di Resta. O piloto da Force India conseguiu a quarta colocação, seu melhor resultado na carreira na F1 e que o coloca na 11ª colocação do campeonato. Outro que conseguiu um resultado além do esperado foi Nico Rosberg, da Mercedes, que largou na décima colocação e acabou em quinto.

Já a Lotus não tem muito que comemorar. Com os dois carros presos atrás da dupla da Mercedes, Kimi Räikkönen e Romain Grosjean não passaram da sexta e sétima colocações, respectivamente. Quem comemorou bastante foi Daniel Ricciardo, que conseguiu colocar o fraco carro da Toro Rosso na nona colocação e somou dois importantes pontos.

E se a dupla da Sauber não somou pontos, Timo Glock conseguiu colocar a Marussia na 12ª colocação, melhor resultado da história da equipe. Caterham e HRT não mostraram nada além do previsto e acabaram nas últimas colocações da corrida.

Mercedes

Nico Rosberg, quinto: “Tudo funcionou bem para mim, depois de um longo tempo, esta noite. Acabar em quinto depois de ter começado em décimo é um resultado muito bom e estou feliz por ter somado bons pontos para mim e para a equipe. Também é bom ter ficado à frente dos dois carros da Lotus, o que não esperava antes da corrida. Salvar um jogo de pneus no treino classificatório provou ser a estratégia certa. Agora estou ansioso para o Japão e a oportunidade de melhorar ainda mais o nosso novo pacote.”

Williams

Pastor Maldonado, abandonou: “Hoje foi difícil. As condições estiveram complicadas na corrida. Estava muito quente e o desgaste dos pneus era enorme, mas nós ainda estávamos conseguindo lidar bem com isso. O início foi ok, mas eu larguei de forma mais agressiva com os pneus frios e acabei perdendo posições, mas depois consegui estabelecer um bom ritmo. Tínhamos um forte desempenho, como o esperado, mas aí tivemos um problema hidráulico e assim acabou a nossa corrida. Estou agora confiante para a próxima prova, já que temos potencial para brigar pela vitória e espero ter uma corrida melhor no Japão.”

Force India

Paul Di Resta, quarto: “O quarto lugar é um grande resultado para a equipe e o meu melhor na F1 até agora. Nós nos classificamos bem, corremos forte e nos aproveitamos de alguns abandonos, mas nas voltas finais certamente mostramos que tínhamos um bom ritmo. Eu não acho que o safety-car realmente teve grande influência na minha corrida e também pude relargar bem em ambas as vezes para manter minha posição”.

“Eu estava muito próximo de Alonso no final, mas não tinha o ritmo para desafiá-lo pelo pódio. Esse resultado é exatamente o que precisávamos para nossa luta no campeonato, e quero agradecer a todos nas garagens pelo trabalho duro de sempre”.

Nico Hülkenberg, 14º: “Foi uma corrida bastante complicada para mim. A estratégia que escolhemos em largar com os pneus mais macios poderia ter dado certo, mas fiquei preso atrás de Kimi e Michael logo cedo e não pude mostrar o verdadeiro ritmo do carro. Os momentos em que o safety-car foi acionado não foram o ideal e o segundo realmente atrapalhou minha corrida. Então, as coisas no geral não deram certo neste final de semana, mas há muitos pontos positivos como o ritmo do carro e o resultado de Paul”.

Lotus

Kimi Räikkönen, sexto: “Após o resultado na classificação, a corrida não foi ruim, mas acho que tivemos a chance de fazer um pouco mais. Nós não fomos rápidos o suficiente para lutar pelo pódio, mas poderíamos ter ganhado um lugar extra se não fosse o safety-car. Nós éramos mais rápidos do que Michael Schumacher e Nico Rosberg, mas acabei ficando preso atrás deles na maioria da corrida, o que foi frustrante. É difícil ultrapassar aqui e você tem que confiar no bom trabalho nos boxes ou no erro de alguém. Eu sou terceiro colocado no campeonato, mas temos que melhorar para as próximas corridas para lutar com os outros carros. Espero fazer isso no Japão.”

Romain Grosjean, sétimo: “Foi uma corrida difícil, mas não foi um resultado ruim. Fiz uma boa largada, consegui manter a posição e senti o carro muito bom. Nosso desempenho foi muito melhor do que o esperado no início deste final de semana. Claro, eu perdi uma posição para Kimi. Ele estava mais rápido e não havia sentido em segurá-lo. Não é fácil deixar alguém passar, mesmo que seja meu companheiro de equipe, mas precisamos ser inteligentes nesse tipo de situação. O meu objetivo é ficar o mais próximo possível de Kimi e consegui fazer isso. Então, depois de um início difícil, acho que podemos ficar satisfeitos com este resultado.”

Toro Rosso

Daniel Ricciardo, 9°: “É ótimo marcar pontos novamente, e isso apenas mostra que voltamos muito fortes para essa segunda parte da temporada. Mesmo sem conquistar pontos nas últimas corridas, nós sempre estivemos na luta por eles. E estou feliz com relação a isso. Hoje, nós fomos beneficiados pela entrada do safety-car, mas, apesar disso, nós tivemos de brigar com os pilotos que estavam atrás da gente. Então, estou realmente satisfeito com o nono lugar e tenho de dizer que a briga com Mark Webber foi muito divertida no final.”

Jean-Éric Vergne, abandonou: “Nossa estratégia funcionou bem hoje e a entrada do safety-car nos favoreceu. Meu ritmo esteve bom durante todo o tempo e consegui virar voltas bem competitivas. De modo geral, estou feliz com o fim de semana que tivemos aqui, porque acho que, pessoalmente, tive uma enorme evolução desde sexta-feira. Só foi uma pena não termos terminado a corrida nos pontos. Acho que poderíamos ter conquistado um oitavo ou um sétimo hoje. Sobre o acidente, eu estava focado em ultrapassar (Sergio) Pérez naquele momento, tentando frear mais tarde para pegá-lo, mas não sei exatamente o que aconteceu. Eu acredito que Michael (Schumacher) tenha freado um pouco mais tarde e não pôde evitar a colisão. Não há razão para ficar com raiva sobre isso, porque essas coisas acontecem em corridas e mesmo o cara mais experiente do grid pode cometer erros. Ele me pediu desculpas e está tudo bem.”

Sauber

Sergio Pérez, 11°: “Para nós, obviamente, foi um fim de semana muito difícil. Nós brigamos o tempo inteiro para encontrar o melhor ritmo. Tentamos de tudo, incluindo dividir a estratégia de corrida, mas, no fim, nem terminar nos pontos nós conseguimos. Eu tive algumas boas batalhas, mas tínhamos dificuldades para ultrapassar. Temos de melhorar para a próxima corrida em Sukuza. E tenho certeza que conseguiremos.”

Kamui Kobayashi, 13°: “Eu tive uma largada muito ruim. O carro patinou bastante e não tive como atacar os rivais, além de não ter o desempenho necessário para isso. Depois do segundo safety-car, eu não consegui evitar o toque em Nico Hülkenberg. Não havia espaço. Para mim, foi apenas um incidente de corrida. Nico pediu desculpas. Parece que o carro dele estava saindo muito de traseira. Eu perdi minha asa dianteira e tive de ir aos pits. De qualquer forma, não foi um bom fim de semana para nós aqui, mas tenho certeza de que conseguiremos impor um desempenho forte no GP do Japão.”

Marussia

Timo Glock, 12º: “Uma corrida incrível para a gente. No geral, eu sabia que com a nossa estratégia poderíamos ter um bom resultado se conseguíssemos ficar próximos de Kovalainen antes da primeira parada e foi isso o que tentamos fazer, extraindo o máximo do carro. Infelizmente, a pressão no pneu traseiro estava um pouco elevada e eu acabei errando na curva 19 e acertei o muro. Em um primeiro momento, eu achei que a corrida tinha acabado. Depois percebi que apenas um pedaço da asa tinha saído e precisei mudar meu estilo de pilotagem para fazer de tudo para manter o carro na pista”.

“Quando os safety-car foram acionados, eu sabia que isso ia misturar o pelotão  e nos daria uma chance de brigar novamente. Depois do primeiro safety-car, eu estava mais rápido que Heikki e no final, quando ele entrou nos boxes, eu sabia que precisava acelerar ao máximo para ele não me alcançar com pneus novos. Em temos de paradas, a equipe fez um trabalho muito bom e estamos ficando mais consistentes.”

“Nós precisamos manter essa 10ª posição até o final da temporada e acho que realmente podemos. Nos últimos quatro meses, realmente nos aproximamos da Caterham, e essa é uma recompensa muito boa pra todo mundo na equipe, porque não está sendo fácil. Vamos aproveitar o momento, mas começar a se preparar para as próximas corridas e além.”

Charles Pic, 15º: “Antes de mais nada, eu preciso parabenizar a equipe. O resultado de hoje foi bastante importante para todos e é uma ótima recompensa pelo trabalho duro na pista e na fábrica. Para mim, estou feliz com a minha corrida, terminando em 15º, mas caindo para 16º com a punição de 20s. O plano era fazer uma corrida com duas paradas e duas sequências longas com o pneu macio, mas com o safety-car isso não funcionou. Nós fomos obrigados a ficar na pista com o pneu supermacio e sofremos com o desgaste por causa disso.”

“No geral, esse foi um final de semana forte e estou satisfeito com meu desempenho desde o primeiro treino livre até o classificatório, naquela que talvez tenha sido a mais desafiadoras das pistas em que estou competindo pela primeira vez. E ainda há mais algumas pela frente! No geral, correr aqui em Cingapura foi uma experiência incrível e não vejo a hora de repeti-la”.

Caterham

Heikki Kovalainen, 16º: “Foi uma boa corrida até a entrada do safety-car. Decidimos não entrar nos boxes na segunda vez, mas o ritmo dos pneus não foi dos melhores, tive que parar de novo e não houve tempo para recuperação. Não fosse o safety-car, eu teria terminado em uma posição muito boa. Agora encontrar mais desempenho no carro e vamos olhar no que deu errado neste final de semana. A equipe vai analisar tudo e ver se é necessário fazer algumas mudanças.”

Vitaly Petrov, 19º: “Eu tive um começo fantástico e ultrapassei dois ou três carros, mas tive que fazer um movimento muito brusco quando vi um carro à minha direita e acabei batendo em Massa, o que danificou minha asa traseira e tive que ir aos boxes. Realmente, isso foi algo de corrida e pedi desculpas para ele. Isso foi uma pena, porque acabou com as chances de ambos na corrida muito cedo.”

“O carro de segurança poderia ter me dado uma chance de recuperação, mas tivemos um problema na porca da roda dianteira e vamos dar uma boa olhada no que aconteceu. Acho que também precisamos olhar o desempenho dos pneus, porque acho que poderíamos ter conseguido mais deles, mas temos a chance de nos recuperar em Suzuka e tenho a certeza que vamos fazer isso.”

HRT

Pedro de la Rosa, 17º: “Estou satisfeito com a corrida de hoje. O safety car me ajudou, mas devo admitir que a corrida se arrastou um pouco e as últimas cinco voltas pareceram muito longas, porque eu não tinha o pneu esquerdo em bom estado, então comecei a perder terreno para Glock e Pic e Kobayashi, Kovalainen e Hülkenberg, que estavam voando. Fisicamente, foi uma corrida difícil, mas eu terminei muito bem. Fizemos tudo que podia com o que tinha em mãos. Não foi fácil terminar esta prova. Agora é a vez de Suzuka, um circuito que amo, que conheço muito bem e espero que tudo dê certo.”

Narain Karthikeyan, abandonou: “Não foi minha melhor corrida desde o início, tivemos problemas e perdemos muito tempo nas retas, mas nós estávamos administrando isso muito bem, até que fui na parte suja da pista, o carro não virou e acabei batendo. É uma prova que mostra que não há espaço para erros em circuitos de rua. Mas vou manter minha boa sessão de classificação na minha cabeça, o que me enche de confiança para a próxima corrida. Foi uma pena não ter completado a prova.”

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube