Confira declarações dos pilotos após GP do Canadá, sétima etapa do Mundial de F1

Sebastian Vettel venceu com facilidade o GP do Canadá, disputado neste domingo (9), em Montreal. Veja o que disseram os pilotos

A cobertura completa do GP do Canadá no GRANDE PRÊMIO
As imagens de domingo da F1 em Montreal
Automobilismo na TV: a programação do fim de semana

Desde que Sebastian Vettel deixou a Toro Rosso para pilotar pela Red Bull, no fim da temporada 2008 da F1, o time de Faenza nunca havia terminado um GP tão bem como neste domingo (9), no Canadá. Na sétima etapa do Mundial de 2013, vencido justamente por Vettel, o francês Jean-Éric Vergne fez uma prova consistente e terminou na sexta colocação, o melhor resultado de sua carreira na elite do automobilismo.

Após a prova, Vergne relembrou o que Vettel foi capaz de fazer em 2008 e destacou os méritos do time, hoje, no Circuito Gilles Villeneuve. “Um grande resultado para a equipe”, destacou o piloto.

Outro destaque do GP do Canadá vai para o escocês Paul di Resta, que fez uso de uma estratégia de apenas uma parada – mostrando a todos como é possível domar os pneus da Pirelli – para se recuperar do desfavorável 17º lugar no grid de largada e cruzar a linha de chegada na sétima posição. “Foi um trabalho top da equipe”, elogiou.

Vergne coroou o melhor fim de semana de sua carreira como piloto de F1 (Foto: Getty Images)

Confira as declarações dos pilotos após o GP do Canadá:

TORO ROSSO

Jean-Éric Vergne, sexto: “Incrível! Estou muito feliz. O meu melhor resultado, é claro, mas também o melhor resultado da equipe desde a vitória do [Sebastian] Vettel em 2008. É ainda mais satisfatório porque foi uma corrida normal, sem ninguém abandonando na nossa frente, então nós conquistamos essa posição pelos nossos próprios méritos. Um grande resultado para a equipe enquanto vamos fazendo progresso corrida a corrida, e é bem encorajador para o resto da temporada.”

“Não foi muito complicado porque a gente tinha o ritmo para manter aquela posição, se bem que nós não tínhamos a velocidade dos que estavam a nossa frente. Eu passei Bottas e Räikkönen e, depois disso, apenas controlei minha corrida e mantive o olho em Sutil, que estava atrás de mim. Não pude tirar o pé até a bandeirada. Depois de terminar em oitavo em Mônaco, esse resultado, em outra pista difícil, aumentou minha confiança e sinto que melhorei como piloto.”

“Devemos continuar forçando no desenvolvimento do carro, começando pela próxima corrida, em Silverstone, para então podermos almejar terminar ainda mais à frente.”

Daniel Ricciardo, 15º: “Eu tive um ótimo começo, ganhando duas posições na largada e, depois fiquei por fora na curva 2, o que permitiu a Hülkenberg me passar de novo. Quando ele passou reto pela chicane, eu estava na frente dele novamente e ganhei outra posição quando Sutil rodou. Naquele ponto, senti que poderíamos ter uma boa corrida, mas, depois de quatro voltas, o carro estava saindo demais de traseira e eu não consegui mais cuidar dos pneus.”

“A medida em que a corrida seguia, tentamos melhorar o balanço e talvez tenhamos melhorado um pouco, mas nosso ritmo era muito lento. Não mudamos muito no carro desde sexta-feira, então isso é um mistério para mim no momento.”

FORCE INDIA

Paul di Resta, sétimo: “Terminar a corrida em sétimo tendo largado em 17º é um ótimo resultado e um trabalho top da equipe. Eu não consegui dados de ‘long-runs’ na sexta-feira, então é ainda mais doce fazer essa estratégia de uma parada funcionar com um stint muito longo com os pneus médios. Também é bom voltar tão forte depois de uma classificação difícil.”

“Os pneus duraram muito, os tempos de volta foram competitivos e a equipe me disse que era minha a decisão sobre quando fazer a minha parada. Assim que senti que os pneus começaram a perder rendimento, eu entrei. Então foi um caso de cuidar dos supermacios para as últimas poucas voltas.”

Adrian Sutil, décimo: “A corrida foi uma aventura e tanto, então é bom sair com um ponto, diante de tudo o que aconteceu. Eu rodei quando tentei ultrapassar Bottas, o que me custou algumas posições, e eu tive sorte por ninguém ter batido em mim quando eu estava no meio da pista. Eu perdi posições e o pelotão estava muito próximo, e foi aí que [Pastor] Maldonado acertou a minha traseira e danificou minha asa traseira. Mesmo com todas essas coisas, eu estava em oitavo até o drive-through. Eu não acho que foi uma punição justa porque eu precisei abrir caminho para muita gente hoje e, às vezes, leva uma ou duas voltas, e isso é normal neste circuito. A punição me custou duas posições e três pontos.”

Paul di Resta foi o sétimo colocado no GP do Canadá (Foto: Getty Images)

McLAREN

Sergio Pérez, 11º: “Não foi a corrida que esperávamos ter. Tentamos o nosso melhor para fazer mais do que fizemos lá fora hoje. É uma pena, ppois o carro pareceu bom durante as voltas de instalação, mas não funcionou tão bem com o pneu médio e tivemos dificuldades para encontrar aderência. Em Silverstone, espero que possamos dar um passo à frente. Trouxemos algumas atualizações para essa corrida, mas eu não consegui andar o tanto que queríamos andar para verificá-las. Espero que elas funcionem melhor em Silverstone.”

LOTUS

Romain Grosjean, 13º: “Sempre soube que seria uma corrida difícil largando lá atrás, mas ainda é desapontador ficar fora dos pontos. As coisas estavam boas até que trocamos para os pneus supermacios, mas eles caíram muito mais rápido do que esperávamos, o que nos forçou a parar novamente. Infelizmente, isso, efetivamente, colocou um ponto final na nossa corrida, pois, naquela hora, não havia mais volta. Depois de um começo promissor na sexta-feira, não foi o melhor fim de semana, mas nós tivemos um bom ritmo em Silverstone no ano passado, então vamos voltar pensando em colocar as coisas no lugar certo.”

WILLIAMS

Valtteri Bottas, 14º: “Lutamos muito duro para tentar conquistar alguns pontos hoje, mas, no fim das contas, não tínhamos um bom carro. Eu não larguei bem, o que permitiu que alguns carros me passassem na primeira volta, e, com a pista seca, simplesmente não podíamos igualar o nível de competitividade que mostramos ontem. O desgaste dos pneus no primeiro stint também foi alto, o que tornou difícil ficar no top-10. Apesar de tudo, sinto que aprendi muito na corrida de hoje e, como um time, podemos tirar pontos positivos do fim de semana. Espero que possamos continuar fazendo progresso e ter um fim de semana mais forte em Silverstone, com os nossos torcedores nos incentivando.”

Pastor Maldonado, 16º: “Estávamos esperando um resultado melhor na corrida de hoje. Sabíamos que não tínhamos velocidade para brigar na frente, mas não tivemos um bom ritmo desde o começo da corrida. O carro estava melhor no molhado em comparação com o tempo seco e quente que vimos hoje e precisamos entender o porquê. Depois do bom resultado com Valtteri ontem, foi um fim de semana complicado para nós ao terminar sem nenhum dos carros nos pontos. Agora temos três semanas até a próxima corrida, então precisamos continuar trabalhando para melhorar nossa performance geral nas corridas.”

MARUSSIA

Jules Bianchi, 17º: “Foi bom hoje poder disputar uma corrida com pista seca porque pudemos voltar ao ritmo que tínhamos mostrado mais cedo no fim de semana nestas mesmas condições. Eu estava um pouco preocupado quando soube que íamos para uma estratégia de apenas uma parada e precisaria andar muito com o pneu médio, mas meus engenheiros e eu mantivemos contanto e trabalhamos juntos para garantir que poderíamos manter os pneus inteiros enquanto fosse necessário.”

“Embora nós precisamos ser cuidadosos, no final nós percorremos 40 voltas sem problemas, e ainda foi bom mudar para o supermacio e garantir nossa posição. Eu acho que o resultado é bem satisfatório e estamos de volta aonde queremos em termos de competitividade. Nós esperamos por coisas melhores em nossa próxima parada, em Silverstone, onde queremos um bom desempenho em uma corrida importante para a nossa equipe.”

Max Chilton, 19º: “Nós fizemos uma boa largada, mas tivemos problemas na primeira volta. Porém, depois disso, vimos que a estratégia ia dar certo para a gente. Começamos com o composto médio e o usamos por cerca de 40 voltas. Eu estava bastante satisfeito em como estávamos poupando os pneus, mesmo pouco antes da parada, então foi um bom trabalho do meu engenheiro, que estava trabalhando cômico para garantir isso e permitir que eu continuasse acelerando forte antes de colocar o supermacio.”

“O início do segundo stint foi bom, mas depois eu comecei a ter problemas com o desgaste dos pneus e não pude me defender de Pic. Mas foi bom termos terminado a corrida com os dois carros e eu posso ir para a próxima corrida bastante otimista, já que é uma prova importante para a equipe e para mim, nossa etapa em casa, o GP da Inglaterra.”

Giedo van der Garde fez uma corrida desastrosa em Montreal (Foto: Getty Images)

CATERHAM

Charles Pic, 18°: "Minha largada foi OK, mas na primeira curva eu tive de frear mais cedo para evitar bater em um dos carros que estava à minha frente, e isso me fez perder duas posições. Depois, nós optamos pelos pneus médios na segunda parte da corrida, e isso funcionou bem."

"O carro permaneceu bom e, assim, mantivemos o plano, parando nos boxes na volta 37 e aí conseguimos completar o stint final. Com cerca de dez voltas para o fim, eu consegui alcançar e passar Max Chilton. Depois disso, a equipe disse que eu poderia imprimir um ritmo forte até a bandeirada. No fim, apenas me certifiquei de levar o carro até o final e terminar em 18°."

 
Giedo van der Garde, abandonou: "Hoje não foi um bom dia para mim. Gostaria de pedir desculpas ao Mark (Webber) pelo incidente que tivemos e, certamente, vou aprender com a punição dada pelos comissários para a próxima corrida. Às vezes, você comete erros, mas o importante é aceitá-los, aprender com eles e seguir em frente."

"Sobre a corrida, eu tive um grande começo, consegui passar quatro carros e era o 17° na segunda volta. Nós começamos a prova com supermacios, mas esses pneus não duraram muito, mas a primeira troca foi bem rápida, na oitava volta, quando voltamos com os pneus médios. Não sei por que o carro perdeu rendimento a partir daí, e isso foi bastante frustrante." 

"Na volta 33, voltei para os boxes e novamente optamos pelos médios, mas logo depois tive de parar de novo por causa da punição no toque com Mark. Depois, a temperatura do carro começou a aumentar rapidamente e tive de voltar aos boxes logo em seguida. A equipe conseguiu encontrar o problema no radiador.  Após isso, me aproximei de Nico Hülkenberg e na freada do hairpin, quando estava ao lado dele, aconteceu o toque e foi o fim da minha corrida."

SAUBER

Nico Hülkenberg, abandonou: “É frustrante terminar a corrida dessa maneira. Passar um retardatário sempre pode um problema, mas esses pilotos também estão disputando a prova e as coisas acontecem para eles da mesma maneira que para gente. Eu passei Giedo van der Garde e freei. Em um primeiro momento, eu não senti nada de errado, até eu sair de uma curva e perceber que o carro não estava mais alinhado, então decidimos parar. Mesmo depois que perdemos posições no começo, nós realmente não tínhamos ritmo hoje. Eu estava lutando pelo 14º lugar e não podia fazer mais do que isso. Claro que esse não foi um bom jeito de terminar a corrida, mas no final não ganharíamos muito mais.”

Esteban Gutiérrez, abandonou: “Por toda a corrida o carro estava complicado de pilotar, eu sempre tentei levá-lo ao limite. Mas desde o começo todo mundo estava se aproximando. Com o primeiro jogo de pneus, estava difícil pilotar, por isso uma parada apenas teria sido impossível. Quando eu saí do meu segundo pit-stop, na primeira curva, passei por uma das ondulações, travei a roda e não pude parar.”

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube