F1

Confira declarações dos pilotos após o GP do Bahrein, segunda etapa da temporada 2019 da F1

O GP 1000 da F1 foi um GP de passeio da Mercedes. Lewis Hamilton começou a encaminhar a vitória ao passar Valtteri Bottas na largada, não perdendo mais a liderança. A Ferrari foi ao pódio com Sebastian Vettel

Grande Prêmio / Redação GP, de Berlim
O milésimo GP da Fórmula 1 não poderia ser mais positivo para a Mercedes. Depois de uma bela classificação, a equipe alemã dominou a corrida deste domingo (14) em Xangai e montou dobradinha com Lewis Hamilton em primeiro. O britânico assumiu a liderança ainda na largada e não voltou a dar novas chances para Valtteri Bottas, que terminou em segundo.

O pódio teve Sebastian Vettel na terceira posição, mas não sem alguma controvérsia. A Ferrari voltou a aplicar ordens de equipe, pedindo que Charles Leclerc saísse do caminho do alemão, aparentemente mais rápido. Mesmo que Vettel tenha conseguido avançar um pouco mais, não foi suficiente para desafiar a Mercedes. Leclerc, com uma estratégia que não rendeu fruto, ainda perdeu o quarto lugar para Max Verstappen.
Lewis Hamilton (Foto: Mercedes)
Pierre Gasly conseguiu o melhor resultado no ano, um sexto lugar com a Red Bull, levando de quebra o ponto extra da volta mais rápida. Seu antecessor, Daniel Ricciardo, foi o melhor da 'F1 B' ao cruzar a linha de chegada em sétimo. A zona de pontos ainda teve Sergio Pérez, Kimi Räikkönen e Alexander Albon, que foi aos pontos após largar dos pits.

A próxima etapa da F1 está marcada para 28 de abril. Trata-se do GP do Azerbaijão, em Baku.

Confira declarações dos pilotos após o GP da China

Lewis Hamilton, primeiro: 
Hamilton diz que largada "era único momento para fazer diferença" e vibra com 1-2 "fantástico" da Mercedes
 
 
 
 
 
Pierre Gasly (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
Daniel Ricciardo, sétimo: “É bom terminar a corrida e somar meus primeiros pontos pela equipe. Vamos pegar os aspectos positivos disso. Pode ter parecido um sétimo lugar simples, mas não foi. Na verdade, foi uma corrida solitária. Não tive muitas disputas por posição, mas os carros de trás estavam me fazendo acelerar até o fim. É um resultado forte e é o melhor que podemos desejar, ao menos para hoje. Queremos seguir em frente nas próximas corridas.”
 
Sergio Pérez, oitavo: “Estou muito feliz por marcar quatro pontos hoje. A largada foi fantástica: vi um espaço, fui em frente e valeu a pena. Nosso ritmo de corrida foi bom: conseguimos manter o ritmo e administrar bem os pneus. Não foi uma corrida fácil, foi complicada porque estava sob pressão de Kimi [Räikkönen] na maior parte do segundo stint, o que tornou mais difícil cuidar dos pneus e manter o ritmo. Foi a mesma coisa com Daniel [Ricciardo] à minha frente. Acho que ele estava lutando muito para administrar seus pneus porque a cada momento eu chegava perto dele e ele encontrava ritmo para abrir novamente. Essa jamais seria nossa pista mais forte, então é importante para aproveitar as oportunidades como as de hoje e marcar alguns pontos. Acho que nós temos potencial para sermos mais fortes na próxima corrida, em Baku.”
 
Kimi Räikkönen, nono: “O carro se comportou bem hoje. Largamos mais atrás no grid e pelo menos marcamos alguns pontos. No fim, perdemos aderência nos pneus dianteiros. É uma pena porque estava cuidando deles durante a corrida, mas eles ficaram frios demais e tive de tirar o pé. Vamos continuar trabalhando e fazendo progressos e ver o que podemos fazer em Baku.”
Alexander Albon (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
Alexander Albon, décimo: “Antes de tudo, quero agradecer a todos na equipe pelo trabalho duro de ontem. As coisas pareciam um pouco sombrias depois do TL3, mas o pessoal trabalhou pesado noite passada para trocar o chassi. Eles mereceram uma boa corrida e fiquei feliz por trazer um ponto como recompensa pelo esforço. Tivemos ritmo no fim de semana inteiro e eu estava confiante de que poderíamos ir ao Q3, apesar de que não tivemos a chance. Foi uma corrida difícil porque pensávamos em fazer duas paradas, mas a degradação esteve acima do que a maioria das pessoas imaginava. Como sabíamos depois do TL2 que estávamos bem em termos de pneus, tentamos sobreviver com os duros. Estive um pouco nervoso no fim, com o Grosjean quase me alcançando, mas ficou muito feliz por conseguir [o ponto].”
 
Romain Grosjean, 11º: “Sendo franco, estava um pouco preocupado antes da largada. Nosso ritmo não tinha sido incrível no fim de semana inteiro. O carro é incrível em uma volta, mas assim que você dá duas ou mais, não é mais. Ainda precisamos entender exatamente o que aconteceu. Acho que, não fossem as bandeiras azuis no fim, a gente teria pontuado. Alex [Albon] fez um grande trabalho ao se defender bem e não cometer erros. Meus parabéns para ele. É irritante tentar de tudo, acelerar ao máximo, e não ter a chance de pontuar.”
 
Kevin Magnussen, 12º: "Eu não tive ritmo hoje, então precisamos pensar no ritmo de corrida. Nós estamos sempre bem nas classificações, então é hora de resolver o ritmo de corrida. É o mais importante. Temos algum trabalho ainda por fazer. Não entendo nesse momento, então precisamos entender. Não é algo fácil. É frustrante que aparentemente temos um boa carro, que se classifica bem, mas não conseguimos transformar isso em ritmo de corrida."
 
Lance Stroll, 13º: “Hoje poderia ter sido um pouco melhor. Nós estávamos à frente do [Alexander] Albon antes do primeiro pit-stop, e então ele nos passou por uma volta e terminou nos pontos, então foi uma pena. Nós poderíamos ter sido mais proativos porque não tínhamos ninguém imediatamente à nossa frente. Acho que era Sergio [Pérez] ou [Kimi] Räikkönen à minha frente, cerca de 5s, então não estávamos lutando com ninguém à frente e tínhamos Albon 3s atrás. Foi um undercut clássico. É decepcionante porque uma vez que isso aconteceu, ficamos na turbulência e foi difícil ultrapassar. Tentamos um pit-stop extra no fim para passar [Kevin] Magnussen e terminar em 12º, mas poderia ter sido mais. Nosso ritmo de corrida não foi ruim, mas nós precisamos analisar a estratégia porque acho que poderíamos ter conseguido marcar um ponto hoje.”
Antonio Giovinazzi (Foto: Alfa Romeo)
Antonio Giovinazzi, 14º: “No geral, foi um fim de semana difícil. Largamos no fim do grid e seguimos com uma estratégia diferente para tentar ganhar algumas posições. Não deu tão certo no fim e só estava ansioso para começar logo o próximo GP no Azerbaijão. Tenho lembranças positivas de Baku e vou me divertir por correr lá novamente. Vamos ver o que nós podemos alcançar.”
 
 
George Russell, 16º: “O ritmo foi um pouco melhor que o esperado. Estávamos brigando nas primeiras voltas e conseguimos ficar com o pelotão. Quando as coisas se acalmaram, as diferenças começaram a se abrir, e aí foi uma corrida bem solitária para mim. Sofremos com os pneus no stint do meio da corrida, e os tempos de volta foram aumentando, então fazer o segundo pit-stop foi a opção correta. No fim das contas, é o lugar onde estamos no momento, então precisamos seguir acelerando e continuar trabalhando.”
 
Robert Kubica, 17º: “Não há muito o que dizer hoje, para ser sincero. O momento mais empolgante da corrida para mim foi quando rodei na volta de apresentação. Tentei aquecer os pneus e perdi o controle do carro lentamente na curva 6. Tive uma boa largada e vinha na linha de dentro, mas, honestamente, não queria correr nenhum risco. Fiquei perto de uma das Racing Point e estava por dentro e não sabia se ele ia espremer, então deixei espaço suficiente e perdi duas posições ali. É difícil arriscar alguma coisa quando você sabe que o ritmo vai ser o que vai ser.”
Lando Norris (Foto: McLaren)
Lando Norris, NC: “Minha largada foi bastante boa. Saí bem do grid e comecei a ganhar posições antes de chegar na curva 3, que é quando eu fiquei próximo do Kimi. Estava por fora na curva 6 e me acertaram, que foi quando fui jogado para o ar. Isso danificou meu carro, perdi muitas posições e precisei ir aos boxes. Isso praticamente acabou com nossa corrida. Não tive um ritmo muito bom depois disso por conta do assoalho danificado, mas o ritmo do Carlos [Sainz] pareceu muito bom. Fora as três equipes de ponta, ele pareceu ser o melhor do resto. No fim das contas, o carro tinha potencial, mas os toques estragaram tudo. Agora vamos para a próxima.”
 
Daniil Kvyat, NC: “Foi uma corrida azarada, porque depois da primeira volta tudo estava praticamente acabado. Mostramos um ritmo muito bom com um carro danificado, então é uma decepção não transformar isso em um bom resultado, já que tínhamos potencial para pontuar hoje. Eu vi o incidente com a dupla da McLaren na primeira volta e discordo da punição. Acho que foi um enrosco típico de primeira volta. Isso acontece, já que estamos andando tão próximos.”
 
Nico Hülkenberg, NC: “É claro que nós tivemos uma corrida muito decepcionante hoje. Foi um começo difícil. Eu perdi uma posição e foi complicado seguir os carros adiante. Nós fomos aos boxes e voltamos no meio do tráfego. Aí eu perdi potência. Tentamos nosso melhor para resolver isso ainda na pista, já que parecia problema de software, mas não houve jeito e estacionamos. Ainda estamos vendo qual foi o problema, mas parece algo ligado ao MGU-K. Ainda temos coisas para resolver para a próxima corrida, mas vamos olhar tudo em detalhes e voltar mais fortes.”


Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo 

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.